Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'overdose'.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 3 registros

  1. Existe overdose de maconha? Nunca ouvi falar, mas por meu tempo trabalhando na saúde hospitalar descobri que overdose não significa necessariamente morte. Significa que você ingere uma dose maior do que pretendia ou do que poderia tolerar, o que lhe acarreta efeitos colaterais (náusea/vômito, tontura, ansiedade, paranoia, deficit cognitivo, taquicardia, PA elevada, etc.). Ou então, você usa uma maconha não tão boa, que pode conter sintéticos e resíduos/solventes da extração (vi em algumas pesquisas). Portanto, pode se dizer que ter uma overdose de maconha é pouco provável, mas não impossível! Vou deixar aqui meu relato do último final de semana... Fumo socialmente há 1 ano (beck, bong..), mas provei dos comestíveis e foi beeem diferente! Fiz uma receita de Cookies Canábicos (está aqui no meu perfil). 12:30 Comi um... e como demorava muito pra "bater", resolvi comer outro. ERRO RUDE! Do mesmo jeito que demora pra começar a sentir os efeitos (o estômago pode levar 30min ou horas pra fazer digestão), também demora para sair do corpo. Então embarquei numa viagem looonga KKKK 13:00 A partir daqui, não sei dizer os horários com precisão. Comecei a sentir moleza, leve tontura e precisava sentar. Perdi a sensibilidade das pernas. Depois comecei a me sentir incomodada com a claridade e fiquei de óculos escuros ? Daí veio uma tontura lancinante, que não achava jeito melhor de ficar, piorava ainda mais de olhos fechados. Uma vez com os olhos fechados, fui pra longe (flutuando, nadando, voando...) e com muito velocidade, ao som de uma dessas bandas psicodélicas. Foi doido!!!! Nesse momento, segurei a mão do meu parceiro pra ter certeza de que não estava sozinha (ele também não estava bem, mas ainda sim cuidou de mim). Com meu oxímetro em mãos, assustei quando vi meus batimentos oscilando entre 145-162bpm estando em repouso. 16:00 Comecei a ficar bem nervosa e ansiosa, porque não dava uma trégua ou uma amenizada nem por um segundo. Obs: tenho transtorno de ansiedade. Mas tentava me manter bem para não desesperar! Não digo que pensei na morte, mas em ir pro hospital, sei lá, tomar um soro. O tempo todo bebi água para me manter hidratada. Fui deitar na cama e de coberta (sentia frio). Aos poucos a tontura foi passando e entrei noutra fase: a da safadeza! hehehe (transar chapada é mt bom pqp!) Estava mais sensível ao toque e desejando coisas que geralmente não quero. Tudo ia bem...mas quando fomos tomar um banho, minha pressão caiu do nada (e mais uma vez tive sorte por não estar sozinha). Fiquei sentada no box do banheiro, molhando o rosto, até passar. 20:00 O engraçado nesse tempo todo é que não perdi o apetite. Belisquei durante a tarde, ainda que com medo de nausear e a noite pedimos comida japonesa ❤️ e uma Coca bem gelada foi me reanimando. 23:30 Ainda me sentia mole, mas bem. Jogamos Uno, tomando vinho e arrisquei até a fumar um pouco. Sinto que perdi o sono, porque demorei a dormir e acordei na madrugada com "dor de barriga" rsrs Tomei um banho quente e voltei pra cama des-tru-í-da! Fim dessa experiência de quase-morte! Queria agradecer ao @Freem@n por ter cuidado de mim, mesmo estando na mesma. Conseguiu ser mais forte! E lembrar que: não passe por nada disso sozinhx, principalmente se for a primeira experiência (e mesmo fumando já a algum tempo). Outro conselho é ir com calma, provando dos seus limites até encontrar a dose perfeita (pra mim meio cookie bastava). E nunca mais repita o mesmo erro! É diferente, é louco, é insano! Bjão a todos!
  2. Maconha é 114 vezes menos fatal que cigarro, diz estudo Além disso, a erva parece ser a menos perigosa entre drogas usadas comumente http://noticias.terra.com.br/ciencia/pesquisa/maconha-e-114-vezes-menos-fatal-que-cigarro-diz-estudo,19c151f5f7cbb410VgnVCM3000009af154d0RCRD.html 24 FEV 2015 Um estudo publicado na revista Scientific Reports nesta terça-feira traz números reveladores sobre o uso da maconha: segundo o estudo realizado no Reino Unido, o risco de morte associado ao uso de maconha é de longe o menos fatal comparado a outras drogas como cigarro e álcool. As informações são do The Independent. A erva é a menos perigosa da lista estudada que inclui tabém: álcool, heroína, cocaína, cigarro, ecstasy e metanfetamina. Mulher rega plantas que são cultivadas por motivos medicinais no Chile Foto: Luis Hidalgo / AP Além disso, a maconha é a única droga que possui baixa taxa de risco de morte entre os usuários, sendo 114 vezes menor que o cigarro, por exemplo, que é uma droga lícita em grande parte dos países onde a erva é proibida. Para chegar aos números obtidos, os autores do estudo compararam doses letais de cada substância em comparação com o que uma pessoa comum usa. Apesar disso, o estudo reafirma que fumar maconha não é “seguro”, mas encontraram que é, sim, mais do que outras comuns.
  3. Quantas pessoas já morreram de overdose de maconha no Brasil? http://www.brasilpost.com.br/2014/10/01/overdose-maconha_n_5916870.html Publicado: 01/10/2014 19:04 BRT Atualizado: 01/10/2014 19:35 BRT Rodolfo VianaFavoritarrodolfo.viana@brasilpost.com.br Thinkstock Desde que o Huffington Post aportou no Brasil, em janeiro deste ano, sob o nome de Brasil Post, publicamos diversos artigos e reportagens sobre maconha. Abordamos o consumo e a repressão, os supostos benefícios e malefícios; sobretudo, apontamos a necessidade de descriminalizar a cannabis. Em todo texto, somos questionados sobre mortes decorrentes do uso de maconha. A última vez que alguém usou overdose como justificativa ideal para não descriminalizar a erva foi no Facebook, ao divulgarmos o post DataPost: saiba quem a nossa redação elegeria Presidente da República. Confira nos comentários: Diante deste questionamento, sentimo-nos compelidos a investigar. Destacamos dois repórteres para o trabalho de relacionar as vítimas desta pesada droga. Segue a lista de pessoas que morreram por overdose de maconha no Brasil, desde 1500 até setembro de 2014: Pois é. Ninguém. Como publicado no io9, é praticamente impossível ter uma overdose de maconha. Em 1988, o juiz Francis Young, utilizando um relatório do DEA (órgão da Polícia Federal norte-americana que combate o tráfico de drogas), chegou à seguinte conclusão: As drogas usadas na medicina em geral levam o chamado LD-50. A classificação LD-50 indica a dosagem com a qual 50% dos animais de teste que receberam determinada droga morreram com resultado da toxidade induzida. Vários pesquisadores têm tentado determinar a classificação LD-50 da maconha em teste com animais, sem sucesso. Simplificando, os pesquisadores não conseguem dar aos animais maconha suficiente para induzir à morte. De acordo com os cálculos do relatório, para se ter uma overdose de maconha, o consumo deve ser de cerca de 680 quilos em, no máximo, 15 minutos. Isso dá entre 20 mil e 40 mil baseados. A propósito, hoje é quarta. Mais maconha no Brasil Post: Consumo Cerca de 8 milhões de brasileiros já experimentaram maconha. O dado é do segundo Levantamento Nacional de Álcool e Drogas, realizado pelo Governo Federal em parceria com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Dos 8 milhões que já fumaram a erva, aproximadamente 1,5 milhão faz isso diariamente. "Entrada para outras drogas"? A tese de que a maconha é uma porta de entrada para outras drogas pode não fazer sentido. Pelo menos, foi o que apontou um estudo da Universidade de Pittsburgh. Nele, 214 meninos com algum tipo de envolvimento com drogas legais ou ilegais foram acompanhados dos 10 aos 22 anos. No fim do experimento, não foi constatada nenhuma relação direta entre o consumo de maconha e o posterior uso de outras substâncias. Segundo cientistas, fatores como pouca ligação com os pais se mostraram mais influentes no envolvimento com drogas. Trabalhadores O consumo de maconha pode ser maior entre os jovens que trabalham do que entre aqueles que não o fazem. A tendência foi apontada num estudo da psiquiatra Delma de Souza, da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT). No trabalho, ela constatou que 8,6% dos jovens trabalhadores de Cuiabá já consumiram a droga - contra 4,4% entre aqueles que não trabalham. Participaram da pesquisa cerca de 3 mil estudantes com idades entre 10 e 20 anos. Crimes As taxas de crimes como assalto, assassinato e estupro não aumentaram nos 11 estados americanos que legalizaram o uso da maconha para fins medicinais entre 1990 e 2006. O dado é de um estudo realizado por médicos daUniversidade de Dallas. Com base em dados do FBI, o levantamento aponta que crimes como homicídio e assalto até diminuíram em alguns estados após a adoção da medida. Cérebro O consumo regular de maconha pode alterar a estrutura do cérebro. A constatação é de médicos da Universidade de Northwestern. Num estudo realizado por meio de ressonâncias magnéticas com 20 pessoas que usavam a droga pelo menos uma vez por semana e 20 que não usavam, eles constataram diferenças de tamanho e forma no órgão daqueles que eram consumidores de maconha. Segundo os cientistas, essas diferenças indicavam que o cérebro tenta se adaptar à exposição à droga. Memória A ideia de que fumar maconha afeta memória pode estar correta. Um estudo da Universidade de Northwestern com 97 participantes que já tinham consumido a erva diariamente por cerca de três anos indicou alterações cerebrais nas áreas do órgão responsável pela memória e mau desempenho em testes realizados pelos cientistas. Na época do estudo, todos os voluntários tinham parado de usar a droga havia aproximadamente dois anos. 1 QI Cerca de mil neozelandeses participaram de um estudo realizado pela Universidade Duke entre 1972 e 2012. De acordo com os pesquisadores, testes realizados aos 13 e aos 38 anos com voluntários que começaram a usar maconha na adolescência e prosseguiram durante a vida apontaram um declínio médio de 8 pontos no quociente de inteligência dessas pessoas. 1 Adolescentes A legalização da maconha para fins medicinais vigente hoje em 21 estados americanos e no distrito de Colúmbia não causou aumento do número de usuários adolescentes. O dado é de um estudo realizado pelo Hospital de Rhode Island. De acordo com o trabalho que envolveu informações fornecidas por estudantes ao longo de 20 anos em diversos levantamentos, a quantidade de jovens que afirmavam ter consumido maconha no último mês ficou sempre por volta de 20% - antes e depois da legalização. Grávidas Um levantamento realizado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) num hospital da zona norte de São Paulo com 1000 adolescentes grávidas mostrou que 1,7% delas admitia ter usado drogas como maconha e cocaína durante a gravidez. Estudos apontam que o consumo da droga durante a gravidez afeta a formação do bebê. Psicoses Distúrbios psicóticos (como alucinações, insônia severa e sensação de angústia intensa) são mais comuns entre pessoas que usam a maconha. A constatação é fruto de um estudo do Instituto de Psiquiatria de Londres. Nele, 1.900 pessoas entre 14 e 24 anos foram acompanhadas por cientistas por oito anos. No fim, verificou-se que a ocorrência de psicoses era mais comum entre quem usava ou já havia usado a droga do que entre quem nunca havia usado. Insetos Marcos Patrício Macedo é biólogo e agente da Polícia Civil no Distrito Federal. Por dois anos, ele analisou amostras de maconha à procura de restos de insetos. A partir deles, Macedo conseguiu determinar a origem da erva - que havia sido produzida no Mato Grosso e no Paraguai. O trabalho foi tema de sua tese de mestrado, defendida na Universidade de Brasília. Dependência O Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas dos EUA (NIH, em inglês) considera que a maconha pode causar dependência. De acordo com o órgão, 9% dos usuários da droga se tornam dependentes. Segundo o NIH, insônia, ansiedade e diminuição do apetite são alguns dos sintomas que pessoas que sofrem com dependência da maconha costumam sentir em períodos de abstinência. Câncer Um levantamento realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) apontou uma relação entre a maconha e a ocorrência de câncer nos testículos. De acordo com a pesquisa, 25% dos pacientes que chegam ao Instituto do Câncer com a doença assumem que consomem maconha regularmente. Gordura Quando você põe uma comida gordurosa na boca, sua língua envia ao cérebro um sinal que estimula a produção de endocanabinóides no intestino. A descoberta é de pesquisadores daUniversidade da Califórnia. A liberação de endocanabinóides ativa em nosso corpo os canabinóides, que são os mesmo receptores responsáveis pela sensação de "barato" gerada pela maconha. Tristeza A tristeza pode ser um fator que leva as pessoas a fumar maconha. Num estudo realizado por médicos do Hospital da Criança de Boston, 40 usuários da droga foram acompanhados via computador por duas semanas. Ao longo do dia e sempre que consumiam maconha, eles deviam responder questionários sobre como estavam. No fim, foi constatado que a maioria da pessoas informava ter sentido sensações negativas nas 24 horas Intoxicação O número de crianças que foram vítimas de intoxicação em estados americanos onde a maconha foi parcialmente legalizada cresceu 30% entre 2005 e 2011. Porém, esse número se manteve estável nos outros estados no mesmo período. A publicação científica Annals of Emergency Medicine publicou um estudo sobre o tema. A suspeita é de que a venda de produtos comestíveis contendo princípios ativos da erva justifique o fenômeno. Insônia Iniciar o consumo de maconha antes dos 15 anos de idade aumenta em duas vezes as chances de desenvolver insônia e outros problemas relacionados ao sono. A informação foi divulgada num estudo realizado por cientistas da Universidade da Pensilvânia com 1.811 pessoas que tiveram contato com a substância Cânhamo Cientistas da Universidade de Minnesotadescobriram traços no DNA que diferenciam o cânhamo da maconha. As duas plantas pertencem à espécie Cannabis sativa. Porém, o cânhamo possui uma concentração muito menor do princípio ativo THC (que gera os efeitos alucinógenos da droga) e, por isso, pode ser considerado um primo sóbrio da maconha — sendo usado na indústria têxtil em função de suas fibras. Hormônio A pregnenolona é um hormônio que reduz a atividade cerebral do receptor responsável pela sensação de "barato" gerada pela maconha. A descoberta dessa característica foi tema de um artigo publicado na revista Science. Em função desse aspecto, os cientistas estudam a possibilidade de usar o hormônio em métodos de tratamento para pessoas que sejam dependentes da droga. Acidentes Acidentes de trânsito envolvendo pessoas que consumiram maconha se tornaram mais frequentes no estado americano do Colorado após a legalização da erva para fins medicinais em 2009. A Universidade do Colorado fez um estudo sobre o tema. No primeiro semestre de 1994, 4,5% dos acidentes na região entravam nessa categoria. No último semestre de 2011, eles eram 10% do total. Esclerose Os espasmos gerados pela esclerose múltipla podem ser aliviados com auxílio da maconha. Pelo menos, é o que indica um estudo realizado por cientistas da Universidade da Califórnia. Num experimento com 30 pacientes com idade média de 50 anos, eles constataram o efeito benéfico entre aqueles que fumaram a erva durante o tratamento. Entretanto, mais estudos são necessários para confirmar a descoberta Esquizofrenia A maconha contém uma substância que pode atenuar alguns sintomas da esquizofrenia. Essa substância é o canabidiol e sua relação com a esquizofrenia é estudada por Antonio Zuardi, psiquiatra ligado à Universidade de São Paulo (USP). Ele lembra que o uso isolado de canabidiol não gera efeitos alucinógenos. Essa característica está associada a outras substâncias presentes na erva, como o Tetrahidrocanabinol ou THC (que gera alucinações e não é recomendado para esquizofrênicos). ss Epilepsia Em abril, a justiça brasileira autorizou que uma mulher importasse legalmente um remédio à base de canabidiol (CDB). Um dos 80 princípios ativos da maconha, o CDB é usado nos EUA em medicamentos para convulsões causadas pela epilepsia. Embora não cure a doença, ele alivia as crises. Entretanto, há dúvidas sobre possíveis efeitos nocivos causados pela substância em tratamentos prolongados. ssss Estrogênio Um estudo da Universidade de Washington com fêmeas de camundongo mostrou que elas eram 30% mais sensíveis ao efeitos do THC (principal componente alucinógeno da maconha) do que os machos. Segundo os cientistas, a razão disso seria a maior concentração nelas do estrogênio (hormônio ligado ao processo de ovulação e outras características femininas). Esse hormônio as tornaria mais sensíveis ao THC. sss Casais Os casos de violência doméstica são menos frequentes entre casais que fumam maconha. A constatação é fruto de um estudo com 634 casais realizado pela Universidade de Buffalo, nos EUA. De acordo com o levantamento, quanto mais frequente era o consumo da erva, menos frequente se tornavam as agressões. sss Pulmões Fumar maconha de duas a três vezes por mês não faz mal aos pulmões. A constatação é de um estudo assinado por oito médicos e divulgado na publicação científica Journal of the American Medical Association. Para o artigo, cinco mil americanos entre 18 e 30 anos de cinco cidades diferentes foram submetidos a questionários sobre o uso da erva e sobre suas capacidades físicas. sss Twitter Mais de 2.320 tuítes com referências à maconha publicados entre maio e dezembro do ano passado foram alvo de uma análise por parte de cientistas da Universidade de Washington. Nela, eles constataram que 82% das mensagens sobre a erva eram positivas, 18% eram neutras e apenas 0,3% exibiam opinião expressamente negativa em relação à droga. sss Música Mais de 950 estudantes participaram de um estudo realizado pela Universidade de Pittsburgh. Nele, foi constatado que o número de usuários de maconha entre jovens que escutavam músicas que faziam alusão à erva era duas vezes maior do que a quantidade de usuários da droga que ouviam canções de músicos que nunca citavam a maconha em suas letras. ss Filhos Filhos de pais que fumaram maconha têm duas vezes mais chances de serem usuários da droga do que a média. A constatação é de um levantamento realizado por pesquisadores daUniversidade de Houston. O estudo reuniu dados de 655 pais e 1.277 filhos coletados entre 1977 e 2004. sss Separação Filhos de pais que se separam têm mais chances de se tornarem usuários de maconha. A constatação é fruto de um estudo com mais de 3.000 mães e seus filhos realizado pelaUniversidade de Queensland entre 2001 e 2004. De acordo com o levantamento, filhos de pais separados têm 2 vezes mais chances de se tornarem usuários da erva do que filhos de pais casados. sss Diploma Um estudo realizado na Austrália com 3.765 pessoas de até 30 anos constatou que quem começa a fumar maconha diariamente antes dos 17 anos tem 60 por cento de chances de não concluir o ensino médio ou uma faculdade. Realizado por pesquisadores da Universidade de New South Wales, o trabalho foi publicado na revista Lancet Psychiatry. sss Religião Cientistas da Universidade de Zurique fizeram entrevistas com 5.387 homens de cerca de 20 anos. Nelas, eles deveriam responder perguntas relacionadas à religião e consumo de substâncias como cigarro e maconha. O estudo constatou que cerca de 20% dos entrevistados que tinham alguma religião já haviam consumido maconha. Já entre os ateus, esse índice era de 36%. sss Genoma Em 2011, a empresa holandesa Medical Genomics sequenciou e publicou na internet o genoma da maconha. Ao todo, os pesquisadores reuniram 131 bilhões de bases de DNA. A partir dos dados obtidos com o trabalho, os cientistas pretendiam descobrir novas propriedades terapêuticas da erva.
×
×
  • Criar Novo...