Ir para conteúdo

Olha O Semáfaro! Quero Sempre O Verde!


mejdalani

Recommended Posts

  • Usuário Growroom

Prefeitura diz que vai trocar semáforo com 'sinal da maconha' em Fortaleza

AMC diz que outros semáforos já sofreram alterações semelhantes.

Foco de sinal verde será trocado pela prefeitura.

Do G1 CE

Representação da folha da maconha foi colocada em semáforo em Fortaleza; prefeitura diz que vai substituir peça

O formato de uma folha de maconha foi inserido no sinal verde do semáforo do cruzamento entre as Ruas Visconde do Rio Branco e Padre Valdevino, no Bairro Centro, em Fortaleza, no Ceará. A Prefeitura de Fortaleza, por meio da autarquia municipal de trânsito (AMC), informou nesta quarta-feira (10) que não é a primeira vez que uma modificação assim é feita em um semáforo da cidade. O órgão já expediu uma ordem de serviço para trocar o foco do sinal verde que ainda vai ser periciado para saber de que forma a imagem foi inserida.

Segundo a Polícia Civil, o autor da modificação do sinal cometeu crime contra o patrimônio público. De acordo com o Código Penal Brasileiro, o infrator pode pegar de seis meses a três anos de prisão, além de pagar multa. A polícia não tem pistas do autor da infração.

Prefeitura diz que essa não foi a primeira ação do tipo na cidade (Foto: Diana Vasconcelos/G1)

geral_01.jpg

geral_02.jpg

Fonte: G1

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

a reportagem do povo foi muito legalize! eu adorei!

a reporter entendeu bem nossa ideia!

Acende e passa

Júlia Lopes

julialopes@opovo.com.br

(31) Envie seu comentário

Tão logo a sinalização de tráfego acusa a permissão de passagem, um desenho se forma no fundo verde do semáforo da Visconde do Rio Branco, na altura da Padre Valdevino. O que será?

Surpresas de uma cidade – por vezes de uma forma bem silenciosa, misteriosa até, que zomba com a desatenção nossa de cada dia. Um sujeito, que ninguém viu, nem sabe quem é, se homem ou mulher, menino ou o quê, deve ter pego um cavalete (daqui a pouco o leitor há de concordar) e pintou uma folhinha no “verde” do semáforo da avenida Visconde do Rio Branco com a rua Padre Valdevino, quando a primeira encontra a Aguanambi, fechando a bifurcação.

O semáforo é daqueles de chão (daí o cavalete) e a pintura parece (impossível afirmar com precisão) ser feita de tinta spray. Um adesivo simples, na forma da folha da cannabis sativa ajudou a definir a forma que ali ficou, há cerca de três meses. Quase quatro, talvez. Mais que dois, com certeza.

“Eu fiquei na minha. Achei estranho, porque geralmente ou é redondo ou tem aquele bonequinho de atravessar a rua. Desses aí, eu nunca vi, não”, se espantou a estudante Ana Carine Ferreira, 17. Raissa Martins, 18, ia ao lado, avoada que só ela, nem prestou atenção: “Gente, eu sou muito dispersa. Não vi nada”. E voltaram caminhando à casa da tia, residente das redondezas.

“Era só o que faltava”, comentou o motorista de ônibus, avexado com o dito sinal – mais pela pressa que pela curiosidade. Comandando uma linha freguesa daquela via, ele nunca tinha atentado para a mudança. Queria até saber se era como aqueles que tem uma bicicleta desenhada. Era não.

O Osmanir, que é Alves Ferreira e dono do restaurante na pontinha de quadra que se forma com a junção da Visconde com a Aguanambi, não tinha tanto tempo para conversas na última segunda-feira, pelo começo do expediente. Ele, que mora em cima do estabelecimento, não prestou atenção na marca do semáforo.

Com muito serviço, que impedia delongas, se disse contra as drogas, e a liberação delas. “É bom fazer essa pesquisa, pra tirar. Agora, se for pra liberar, eu estou fora”, declarou, solene. Por dois anos, o pagode do lugar transcorria bem, mas uma briga, grande, feia, deixou três “com a cabeça quebrada” e um prejuízo de R$ 3 mil. Ele está certo de que foi coisa de gangue e droga.

Se o dono não viu, parte da clientela viu. Aurélio Oliveira, 32, e Paulo Basílio, 23, almoçavam com os colegas da oficina de carros ali do lado e todo mundo comentou o ocorrido. “Eram uns seis meninos (almoçando). E tinha um que era especialista, tirou até foto”, brincam. Uma cliente da oficina ficou deveras intrigada e resolveu dar uma olhadinha de perto. Lá se vem ela de volta. “Não, isso não é desenho”, explica. “É que ficou sujo e o sujo penetrou por cima da luz. Mas isso é só sujo”. Será?

“É legal o cara ter essa ideia”, imagina Basílio, que não é primo de ninguém dessa história. “Isso é coisa de desocupado”, repreendeu Aurélio, que até agora não fez nenhum dicionário, enquanto voltava a cabeça para a conversa. E logo mudou de ideia: “Mas é legal, sim”.

O Jovenildo dos Santos, 27, que também trabalha ali perto, imagina que tenha sido um pichador mesmo, já que “eles picham os lugares mais difíceis”. Ele não tinha reparado na folhinha. E todo mundo da empresa ficou com um olhar curioso quando soube do chiste. Os colegas de trabalho, José Nildo, 27, e Francisco Wellington, 23, acharam graça. Um tinha visto, o outro, não. Mas aí foi o jeito continuar o trabalho, satisfeitos com aquele tempinho de distração. Com o carro estacionado na Visconde do Rio Branco, a professora Tereza Esteves, da escola ali do lado, sugeriu uma discussão mais ampliada sobre o tema, “para não estimular essa alusão”.

Nem a turma de um lado, nem a turma do outro fazia ideia de quem tenha sido o pintor. Chegamos, nós todos, à conclusão de que seria impossível empreender tal façanha à luz do dia, porque depredar o patrimônio público é ilegal, como lembrou Aurélio. De madrugada, provavelmente. Que tenha um spray à mão, uma ideia na cabeça e algum tempo livre. Ou seja: quase meio mundo. “Mas vai ser difícil, viu”, desestimula o Aurélio. De qualquer forma, a gente teima. E jura que não conta para ninguém.

E agora

ENTENDA A NOTÍCIA

Em tempos de marchas pela liberação do uso da maconha mundo afora, a intervenção no semáforo da avenida Visconde do Rio Branco pode ser um caso isolado ou parte de alguma manifestação política. Isso, no entanto, fica resguardado no sigilo da ação.

SAIBA MAIS

Procurada pela reportagem, a AMC, responsável pela instalação e manutenção dos semáforos da Capital, relatou, através de sua assessoria, que esse não é o primeiro caso, mas o segundo, e na mesma redondeza. Até o fechamento desta edição, porém, não forneceu mais detalhes.

fonte-

http://www.opovo.com...e-e-passa.shtml

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Faça login para comentar

Você vai ser capaz de deixar um comentário após fazer o login



Entrar Agora
×
×
  • Criar Novo...