Ir para conteúdo

Monsanto E Syngenta Investem Em Tecnologia De Interferencia De Rna


Alom

Recommended Posts

  • Usuário Growroom

CANNABIS CULTURE - Having been cultivated and used ceremonially, recreationally and medicinally for thousands of years, cannabis – despite prohibitive laws surrounding the non-medicinal use of the plant – is undoubtedly on the radar of big agribusiness.

These companies would certainly turn a profit from developing a patentable transgenic seed for sole distribution if the use of cannabis were to become legal. It would be easy for these companies to create a monopoly over the industry by abusing their ties with federal regulators. This has all been a point of much debate within the cannabis community for many years.

With this in mind, it's fair to say that one of the only positives of marijuana prohibition, with the art of breeding, growing and distributing cannabis heavily underground for most of its commercial history, the Big 6 seed and chemical companies have not been able to dominate the industry with their patented technologies.

The trouble: things may change soon. Monsanto, Syngenta, BASF, Bayer, Dow and DuPont have, until recently, largely focused their energy on monopolizing the food industry, but some have developed a keen interest in this still-illegal plant as well.

Whether the backwards idea of keeping psychoactive plants entirely prohibited continues, or whether full legalization is granted, or simply if only medicinal liberties remain the loophole on marijuana use, these companies are seeking new and preparatory ways to cash-in on the popular use of cannabis.

With bureaucratic regulation of medicinal use of the plant being discussed in the halls of government and on its way to becoming the standard, many agro-companies are set to be outsourced as the main providers of medicinal pot. For obvious reasons then, these companies are already underway researching genetically modified (GM) cannabis in order to control its THC content.

If these corporations are given sole administrative power of seed distribution to the licensed medicinal outlets, they may want to keep THC at very low concentrations of 3 to 5%. On the contrary, if by retract of the recent medicinal freedom, pot becomes entirely prohibited once again, they can still benefit by joining hands with the champions of the drug war and eradicating THC content in the plant entirely.

THC: Potency the Natural Way

THC, or tetrahydrocannabinol, one of the psychoactive components in marijuana, has always been the subject of artful breeding. Without GM technology, experienced growers have perfected ancient methods of breeding organic cannabis with around 10% or more THC. By use of a natural cultivation process called human selection – a sped up form of natural selection – marijuana growers have been learning how to increase THC content without the use of any lab or corporate product.

This has enabled the marijuana world to maintain independence from the massive seed and chemical companies.

Of course, deep knowledge of the plant, extensive farming practices, genuine care and time spent in order to learn how to breed this useful plant, are a must for growers who want to deliver a truly organic, naturally cultivated and increasingly potent product.

In North America, British Columbia has been a place of highly concentrated talent – growers from all over the world come to the Northwest to take advantage of its nutrient-rich soil, prime weather conditions, and historically lax laws to learn how to grow potent marijuana, learning the best techniques to breed a product with a high THC content.

The concentration of organic-friendly farmers and environmentally concerned activists in the area have been a bonus to growers who, like tomato and arugula cultivators, learn from each other using permaculture-based methods (to ward off pests naturally without pesticides or BT technology, for instance) and thereby nurture prime conditions for growing successful healthy crops.

With the demand for potent BC Bud always increasing, of course there will be those attracted to growing with purely profit-driven motives. Rather than take the time and patience to learn true farming practices, some unexperienced growers will look to chemical companies to help increase their crop yields.

GM cannabis has already been developed for purely pharmaceutical use and to license to the government for medicinal study in laboratories. At the same time, over the last ten years, the realization that these chemicals and genetically modified versions of our ingestible plants could possibly cause major health problems like cancer, has been front and center on the stage of awareness.

Greenpeace, the World Wildlife Fund and other advocacy groups have said the risks of GM technologies have not been adequately identified or resolved. Opponents also question the objectivity of regulatory authorities.

The fight against GM food will surely heat up as this awareness increases. With the close-knit relationship between those who enjoy an organic plant-based diet and those who enjoy using marijuana, agribusiness might be safely kept away from cannabis cultivation – just so long as growers who value the true art of growing stick to their ancient practices, and those who are destructively profit-driven are pushed out.

But this will require high levels of consumer awareness. Medicinal patients should also demand their medicinal marijuana doesn't come from the laboratory, but rather, to have experienced organic growers be the government's source for licensed marijuana.

RNA interference

The biggest concern with cannabis and GM control now remains. While they gain a monopoly over medical marijuana, the challenge of governments who continue to wage the ostensible "War on Drugs" is being taken on by some of the Big 6. Monsanto and Syngenta are currently investing millions of dollars into a new GM technology called RNA interference.

RNAi, as it's also known, is a method where the RNA - which is the code from a plant or animal's DNA that tells its proteins how to organize in order to create, say, what colour the plant will be - is interfered with. In RNAi, double-stranded RNA is inserted so that this original code is obstructed; so that the pigmentation instructions don't make it to the proteins.

Scientists in Spain have successfully injected double-stranded RNA into a purple petunia to interfere with the genes that usually tell the flower to turn purple. Where the RNA code translation was interfered with, the flower grew white stripes where the proteins had no information on how to organize in order to create the colouring.

This process initially stepped into development as an alternative to insecticides: if you can insert double-stranded RNA into a plant's seed that is designed to interfere with the offending insect's RNA instructions for, say, digestive capabilities, after ingesting the plant and therefore the RNAi, the pest will no longer be able to eat.

More on this science has been in the works. Testing has already been done creating double-stranded RNA that have been injected into spider mites, the most resilient of crop pests, which interferes with the RNA instructing the mites' proteins on muscle development so the sider mite can no longer move.

The problem with this process is that the transgenic genes intended to interfere with the plant or the pest will then be ingested by the human. No matter how small an amount this gene interference is intended to be, there are scientists raising red flags about the potential harm this could have on our own biological systems or cell and protein development.

GM Cannabis

Here, the potential applications of this technology for the cannabis industry step onto the stage: imagine what genetic instructions within the cannabis plant might be interfered with. Certainly to profit from the billions spent on the Drug War in its attempt to eradicate the world of psychoactive plants, these companies might offer a rendition of this GM technology where genes determining THC content are interfered with.

If it weren't for the growing evidence that GM and RNAi crops may be damaging to humans, it's possible to imagine a host of potential benefits to genetically modifying the cannabis plant. Larger, more potent, and pest-resistent grow shows are an attractive proposition, but are they worth the many risks?

RNAi technology is still in its elementary development stage and they're currently testing methods by which to administer it. A spray that contains this double-stranded RNAi technology, is thought to be the most marketable, but in Spain, injecting RNAi directly into the seed has been the focus of their extensive research. Another step before making it to the market is the question of how to regulate it for food-safety and health risks.

Developers of RNAi technology estimate that it could take 5 to 10 years to bring the technology up to code, so there is still time to help support and empower organic growers and non-GM cultivators.

Canada will soon employ a new commercial medical marijuana production system, where large-scale producers will be permitted to grow cannabis and distribute it through the mail. If you have a licence to purchase cannabis for medicinal use in Canada, tell Health Canada to you will not accept a product that has been interfered with using GM or RNAi technology.

In the United States, it could be a long while before the federal government allows any kind of research and development into GM cannabis, let alone any kind of sales or distribution for medical or recreational purposes, but things are moving quickly at the state level.

The slogan "Know Your Farmer" has gained popularity over the years in enlightened agricultural circles. In order to save our most ancient and beloved psychoactive plants from falling into the hands and under the control of the agri-chem profiteers, let everyone remember the slogan "Know Your Grower."

Hard work, pure talent, and unparalleled dedication to the natural world will continue to deliver us both our health and our freedom.

TRADUÇÃO GOOGLE:

Cannabis Culture - Tendo sido cultivado e usado cerimonialmente , recreativo e medicinal há milhares de anos , cannabis - apesar das leis proibitivas que envolvem o uso não- medicinal da planta - é , sem dúvida, no radar da grande agronegócio.

Essas empresas certamente virar um lucro de desenvolver uma semente transgênica patenteável para distribuição exclusiva se o uso de cannabis foram para se tornar legal. Seria fácil para estas empresas a criar um monopólio sobre a indústria por abusar de seus laços com os reguladores federais . Tudo isto foi um ponto de muita discussão dentro da comunidade cannabis por muitos anos.

Com isto em mente, é justo dizer que um dos únicos pontos positivos da proibição da maconha , com a arte da criação, crescimento e distribuição de cannabis fortemente subterrâneo para a maioria de sua história comercial , as empresas Big 6 de sementes e químicos não têm sido capazes de dominar a indústria com suas tecnologias patenteadas .

O problema : as coisas podem mudar em breve. Monsanto , Syngenta, BASF , Bayer, Dow e DuPont , até recentemente, em grande parte focado sua energia em monopolizar a indústria de alimentos , mas alguns têm desenvolvido um grande interesse nesta planta ainda ilegal.

Se a idéia de trás de manter as plantas psicoativas totalmente proibida continua , ou se a legalização total é concedido, ou simplesmente se apenas liberdades medicinais continuam a ser a brecha para o uso da maconha , essas empresas estão procurando maneiras novas e de preparação para o cash -in sobre o uso popular de cannabis .

Com a regulamentação burocrática do uso medicinal da planta que está sendo discutido nos corredores do governo e no seu caminho para se tornar o padrão , muitas agro- empresas estão definidos para ser terceirizado como os principais fornecedores de maconha medicinal. Por razões óbvias , então , essas empresas já estão em andamento pesquisando geneticamente modificado ( GM) cannabis , a fim de controlar o seu teor de THC .

Se essas empresas são dadas único poder administrativo de distribuição de sementes para as tomadas medicinais licenciados , eles podem querer manter THC em concentrações muito baixas de 3 a 5% . Pelo contrário , se por retração do recente medicinal liberdade, pote torna-se totalmente proibido , mais uma vez , eles ainda podem se beneficiar por unir as mãos com os campeões da guerra contra as drogas e erradicação do teor de THC na planta inteiramente.

THC: Potência a maneira natural

THC , ou tetrahidrocanabinol , um dos componentes psicoativos da maconha , tem sido sempre objecto de criação artística. Sem a tecnologia GM , os produtores experientes aperfeiçoaram os métodos antigos de reprodução cannabis orgânica com cerca de 10% ou mais THC . Com o uso de um processo de cultivo natural chamado seleção humana - uma forma acelerada de seleção natural - plantadores de maconha foram aprendendo a aumentar o teor de THC , sem o uso de qualquer laboratório ou produto da empresa.

Isso permitiu que o mundo da maconha para manter a independência das enormes empresas de sementes e químicos.

Claro, profundo conhecimento da planta, práticas de agricultura extensiva , cuidado e tempo real gasto para aprender a produzir esta planta útil, são uma obrigação para os produtores que querem entregar um produto naturalmente cultivada e cada vez mais potente verdadeiramente orgânico .

Na América do Norte , British Columbia tem sido um local de alta concentração de talentos - os produtores de todo o mundo vêm para o Noroeste para tirar proveito de seu solo rico em nutrientes , as condições meteorológicas de primeira linha , e as leis frouxas historicamente para aprender a crescer potente da maconha , aprender as melhores técnicas para produzir um produto com alto teor de THC .

A concentração de agricultores orgânicos -friendly e ativistas ambientais interessados ​​na área têm sido um bônus aos produtores que, como tomate e rúcula cultivadores , aprender uns com os outros usando métodos baseados em permacultura ( para repelir pragas naturalmente sem pesticidas ou tecnologia BT , por exemplo) e, assim, fomentar condições principais para o cultivo de culturas saudáveis ​​sucesso.

Com a demanda por potente BC Bud sempre a aumentar , naturalmente haverá aqueles atraídos para crescer com motivos puramente com fins lucrativos . Em vez de tomar o tempo e paciência para aprender as práticas agrícolas verdadeiros , alguns produtores inexperientes vai olhar para empresas químicas para ajudar a aumentar os seus rendimentos das culturas .

Cannabis GM já foi desenvolvido para uso puramente farmacêutica e licenciar do governo para o estudo medicinal em laboratórios. Ao mesmo tempo , ao longo dos últimos dez anos, a percepção de que esses produtos químicos e versões geneticamente modificadas de nossas plantas ingestible poderia causar graves problemas de saúde como câncer, tem sido frontal e central no palco da consciência .

Greenpeace, o World Wildlife Fund e outros grupos de defesa disseram que os riscos de tecnologias GM não foram adequadamente identificados ou resolvidos . Os opositores também questionam a objetividade das autoridades reguladoras .

A luta contra os alimentos transgênicos certamente vai aquecer como esta consciência aumenta. Com a relação unida entre aqueles que gostam de uma dieta baseada em vegetais orgânicos e aqueles que gostam de usar maconha , o agronegócio pode ser mantido a uma distância segura do cultivo de cannabis - contanto que os produtores que valorizam a verdadeira arte de cultivar vara para suas práticas antigas , e aqueles que estão com fins lucrativos destrutiva são empurrados para fora .

Mas isso vai exigir altos níveis de consciência do consumidor . Pacientes medicinais também deve exigir sua maconha medicinal não vem do laboratório , mas sim , de ter experimentado os produtores orgânicos ser fonte do governo para a maconha licenciado.

RNA de interferência

A maior preocupação com cannabis e controle GM agora permanece. Enquanto eles ganham um monopólio sobre a maconha medicinal , o desafio dos governos que continuam a travar a ostensiva " guerra às drogas" está sendo assumida por alguns dos grandes 6. Monsanto e Syngenta estão investindo milhões de dólares em uma nova tecnologia chamada GM RNA de interferência .

RNAi , como também é conhecido, é um método onde o RNA - que é o código de uma planta ou de DNA do animal que informa suas proteínas como organizar , a fim de criar , por exemplo, qual a cor da planta será - é interferência. Em RNAi , RNA de cadeia dupla é inserido para que este código original está obstruído; de modo que as instruções de pigmentação não fazê-lo para as proteínas .

Cientistas da Espanha injetaram com sucesso RNA de cadeia dupla em uma petúnia roxo para interferir com os genes que normalmente contam a flor para ficar roxo . Se a tradução de código RNA foi interferido , a flor cresceu listras brancas , onde as proteínas não tinham informações sobre a forma de organizar a fim de criar a coloração.

Este processo inicialmente entrou desenvolvimento como uma alternativa aos inseticidas : se você pode inserir RNA de cadeia dupla em semente de uma planta que é projetado para interferir com as instruções do inseto agressor RNA para, digamos, as capacidades digestivas, após a ingestão da planta e, portanto, o RNAi , a praga não vai mais ser capaz de comer .

Mais informações sobre esta ciência tem sido em obras. Teste já foi feito criando RNA de cadeia dupla que foram injetadas em ácaros, o mais resistente de pragas das culturas , o que interfere com o RNA instruindo proteínas dos ácaros sobre o desenvolvimento muscular, para o ácaro sider não pode mais se mover.

O problema com este processo é que os genes transgénicos destinados a interferir com a planta ou a praga , então, ser ingerida pelo ser humano . Não importa quão pequena uma quantidade esta interferência gene pretende ser , há cientistas que levantam bandeiras vermelhas sobre o dano potencial que isso poderia ter sobre os nossos próprios sistemas biológicos ou celular e proteína de desenvolvimento.

GM Cannabis

Aqui, os potenciais aplicações desta tecnologia para a indústria de cannabis passo para o palco : imaginar o que instruções genéticas dentro da planta de cannabis pode ser interferido . Certamente para lucrar com os bilhões gastos no combate às drogas em sua tentativa de erradicar o mundo das plantas psicoativas , essas empresas podem oferecer uma versão desta tecnologia GM onde os genes que determinam teor de THC são interferência.

Se não fosse para a crescente evidência de que as culturas GM e RNAi pode ser prejudicial para os seres humanos , é possível imaginar uma série de benefícios potenciais para modificar geneticamente a planta cannabis. Maior, mais potente , e pragas resistentes crescer shows são uma proposta atraente , mas será que eles valem os muitos riscos ?

Tecnologia de RNAi ainda está em sua fase de desenvolvimento fundamental e eles estão atualmente testando métodos pelos quais a administrá-lo. Um spray que contém esta tecnologia de cadeia dupla RNAi , é pensado para ser o mais comercializável , mas em Espanha , injetando RNAi diretamente para a semente tem sido o foco de sua extensa pesquisa . Outro passo antes de fazer -lo para o mercado é a questão de como regulá-lo para os riscos de segurança alimentar e de saúde.

Desenvolvedores de RNAi estimativa tecnologia que poderia levar de 5 a 10 anos para trazer a tecnologia até o código , por isso ainda há tempo para ajudar a apoiar e capacitar os produtores orgânicos e cultivadores não-GM .

Canadá em breve contratar um novo sistema de produção de maconha medicinal comercial , onde os produtores de grande escala será permitida a crescer cannabis e distribuí-lo através do correio. Se você tiver uma licença para comprar cannabis para uso medicinal no Canadá, dizer Health Canada para que você não vai aceitar um produto que tenha sido interferiu com o uso de GM ou tecnologia de RNAi .

Nos Estados Unidos , poderia ser um longo tempo antes de o governo federal permite que qualquer tipo de pesquisa e desenvolvimento de cannabis GM , muito menos qualquer tipo de venda ou distribuição para fins médicos ou de lazer , mas as coisas estão se movendo rapidamente em nível estadual .

O slogan " Conheça o seu fazendeiro" ganhou popularidade ao longo dos anos em círculos agrícolas iluminados. A fim de salvar nossas plantas psicoativas mais antigos e queridos caiam nas mãos e sob o controle de aproveitadores agro- chem , deixar todo mundo se lembra do slogan " Conheça o seu cultivador. "

O trabalho duro , talento puro e dedicação sem paralelo com o mundo natural continuará a livrar-nos tanto a nossa saúde e nossa liberdade.

FONTE:http://www.cannabisculture.com/content/2013/07/30/Manipulating-Marijuana-Monsanto-and-Syngenta-Invest-RNA-Interference-Technology

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Eu não acredito que eles iram conseguir dominar o mercado por um simples motivo.

Se mesmo com o status de ILEGAL em praticamente todo o mundo existe um mercado enorme em volta JÁ ESTABELECIDO não acredito que eles consigam monopolizar com a legalização afinal se hoje existe tantas strains nada me faz creer que daqui a 10 anos será diferente com a legalidade da mesma!

As possibilidades são infinitas com nossa planta, não prescisa de enormes laboratorios para se desenvolver uma especie ÚNICA, só prescisa de tempo e garantias que não vamos ser presos, o que não falta é gente fazendo breeding aqui no Brasil para uma futura legalização!

  • Like 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

O problema é que transgênico é uma praga, vc pode até não plantar mas se alguem na redondeza cultivar transgenicos, com o tempo seu cultivo acaba se contaminando, sem falar nas ultimas aberraçoes como as sementes terminator que estão criando.

  • Like 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Tecnologia Terminator: As Sementes Suicidas Estão de Volta!

BANIR TERMINATOR

Atualidades da Campanha

Infelizmente, a tecnologia Terminator não é uma novidade de ontem – é uma séria e imediata ameaça à diversidade de cultivos e à soberania alimentar em todo o mundo. Governos estão esboçando propostas para permitir testes a campo e comercialização de sementes Terminator. A Federação Internacional de Sementes, agora, apóia abertamente o Terminator e está trabalhando de mãos dadas com governos complacentes com as indústrias para desmantelar a moratória de facto das Nações Unidas. Um banimento total é a única defesa contra as sementes suicidas.

ANTECEDENTES

O que é Terminator? A tecnologia Terminator refere-se a plantas que foram geneticamente modificadas (GM) para tornar as sementes estéreis quando da colheita. A tecnologia Terminator foi inicialmente desenvolvida pela indústria multinacional de sementes/agroquímicos e pelo governo dos EUA para evitar que os agricultores replantassem as sementes colhidas maximizando, assim, os lucros dessa indústria. As sementes Terminator ainda não foram comercializadas ou testadas a campo – embora experimentos estejam ocorrendo em estufas, nos EUA.

Tecnologia Genética de Restrição do Uso (em inglês, GURTs ) é o termo “oficial” utilizado pelas Nações Unidas e pela comunidade científica para se referir ao Terminator. Tecnologia Genética de Restrição do Uso é uma expressão ampla que se refere à utilização de um indutor químico externo para controlar a expressão de um traço genético de uma planta. GURTs é freqüentemente usado como sinônimo para esterilização genética de sementes ou tecnologia Terminator.

Por que Isso é um Problema? Mais de 1,4 bilhão de pessoas, principalmente famílias de pequenos agricultores, no mundo em desenvolvimento, têm como fonte principal de sementes as guardadas de seus próprios cultivos. As sementes Terminator forçarão à dependência de fontes externas e quebrarão com as práticas de troca de sementes dos povos locais e indígenas, bem como com a prática milenar de seleção e reprodução efetuada pelos agricultores – a base para a segurança local de disponibilidade de sementes.

Se o Terminator for comercializado, a esterilidade das sementes será, provavelmente, incorporada em todas as plantas GM. Isso porque a esterilidade das sementes permite um monopólio muito mais forte do que as patentes; ao contrário das patentes, não há data de expiração, nenhuma exceção para os melhoristas e nem necessidade de advogados.

Quem detém as patentes do Terminator? O departamento de agricultura dos EUA e a Delta & Pine Land, a 7ª maior companhia de sementes do mundo, detêm, conjuntamente, três patentes da tecnologia Terminator. Syngenta, DuPont, BASF e Monsanto estão entre as outras companhias multinacionais que obtiveram patentes. Em março de 2004, a Syngenta obteve sua mais recente patente nos EUA para a tecnologia Terminator. Um representante da Delta & Pine Land está, atualmente, viajando ao redor do mundo para promover a tecnologia Terminator de sua companhia.

Terminator NÃO é uma questão de biossegurança: A indústria multinacional de sementes está fazendo uma campanha de relações públicas para promover a tecnologia Terminator como um mecanismo para conter o fluxo indesejado de genes de plantas GM (particularmente de novos produtos em desenvolvimento, como árvores GM e plantas modificadas para produzirem drogas e químicos industriais). A indústria argumenta que a esterilidade engenheirada oferece uma característica de segurança construída internamente para as plantas GM porque, se os genes de uma cultura Terminator tiverem polinização cruzada com plantas parentes da vizinhança, as sementes produzidas pela polinização indesejada serão estéreis – não irão germinar. A fuga de genes de plantas GM tem causado contaminação genética e se coloca como ameaça à biodiversidade agrícola e aos meios de vida dos agricultores – especialmente em centros de diversidade genética de cultivos. Por exemplo, estudos confirmam que o DNA de milho GM tem contaminado milho tradicional plantado por agricultores indígenas no México.

As mesmas companhias cujas sementes GM estão causando contaminação indesejada sugerem, agora, que a sociedade aceite uma nova e não testada tecnologia para conter a poluição genética. Se as sementes GM não são seguras não devem ser usadas. E, mais importante, a segurança alimentar das pessoas com menos recursos não deve ser sacrificada para resolver o problema de poluição genética provocado pela indústria. Que impactos terão as sementes Terminator sobre os pequenos agricultores? As sementes Terminator geneticamente modificadas não são importantes para as necessidades dos pequenos agricultores, mas isso não quer dizer que esses agricultores não irão encontrar sementes Terminator em seus cultivos, se elas forem comercializadas. Se grãos importados contiverem genes Terminator e agricultores, desavisadamente, os plantarem como sementes, eles não irão germinar. Da mesma forma, agricultores que dependam de ajuda humanitária de alimentos arriscam ter uma perda devastadora em seus cultivos se, sem saberem, utilizarem como sementes esses grãos que contêm genes Terminator.

ATUALIDADES

Moratória Internacional Sob Ataque: Em 2000,a Convenção de Biodiversidade das Nações Unidas (CDB) recomendou que os governos não realizassem testes a campo nem comercializassem tecnologias genéticas de esterilização de sementes – desse modo criando uma moratória internacional de facto. Muitos governos, povos indígenas e organizações da sociedade civil têm, repetidamente, apelado à CDB para banir a tecnologia Terminator porque ela ameaça a biodiversidade, os sistemas de conhecimento indígenas, os pequenos agricultores e a segurança mundial de alimentos. Mas, quando o corpo de consultores científicos da CDB se reuniu, em fevereiro de 2005, em Bangkok, a indústria e governos aliados quase conseguiram derrubar a moratória existente. Vazou uma nota revelando que o governo canadense estava preparado para introduzir um texto permitindo testes a campo e a comercialização. O desastre foi evitado devido à intervenção de muitos governos mas a moratória sobre o Terminator está, agora, sob ataque.

É NECESSÁRIO AGIR EM TODOS OS NÍVEIS

Banimentos Nacionais: Fazer campanhas nacionais para banir o Terminator é decisivo – e há precedentes importantes. Em 2005, o governo do Brasil aprovou uma lei que proíbe o uso, a venda, o registro, o patenteamento ou o licenciamento da tecnologia Terminator. O governo indiano baniu, em 2001, o registro de sementes Terminator. Campanhas locais, nacionais e regionais para banir o Terminator irão encorajar os governos a trabalharem no sentido de banir o Terminator internacionalmente.

O BANIMENTO NA CONVENÇÃO DE BIODIVERSIDADE DAS NAÇÕES UNIDAS: De 23 a 27 de janeiro de 2006, o grupo de trabalho da CDB sobre o artigo 8 (j) irá se reunir na Espanha e recomendar ação sobre o Terminator ao encontro bienal da CDB (COP8) no Brasil, de 20 a 31 de março de 2006, onde os governos terão a oportunidade de banir o Terminator de uma vez por todas.

Integre a Nova Campanha para Banir o TerminatorBan Terminator – Terminar Terminator – Banir Terminator – Interdire Terminator – Terminator verbieten

contact@banterminator.org www.banterminator.org

Phone: 1 613 241 2267 Fax: 1 613 241 2506

431 Gilmour Street, Second Floor, Ottawa, Ontario, Canada K2P 0R5

fonte:http://www.banterminator.org/content/view/full/226

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Faça login para comentar

Você vai ser capaz de deixar um comentário após fazer o login



Entrar Agora
×
×
  • Criar Novo...