Ir para conteúdo

Recommended Posts

  • Usuário Growroom

Hunter S. Thompson (1937-2005)

huntercozumel.jpg

(Hunter em Cozumel, México, 1974. Foto: Al Satterwhite)

“Sempre amei a maconha. Ela tem sido uma fonte de alegria e conforto para mim por tantos anos. E eu ainda acho que é uma das coisas básicas da vida, ao lado da cerveja, gelo e grapefruits –e milhões de americanos concordam comigo.”

 

Norman Mailer (1923-2007)

https://www.youtube.com/watch?v=H729_DYd_V0

 

“O efeito da maconha em alguém é sempre existencial. Pode-se sentir a importância de cada momento e como isto nos afeta. É possível sentir a própria essência, tornar-se consciente do enorme mecanismo do nada –o zumbido do aparelho do som, o vazio de uma interrupção sem sentido. Nos tornamos conscientes da guerra dentro de cada um de nós, e como o nada dentro de nós busca atacar a essência dos outros, e como nossa essência, por sua vez, é atacada pelo nada dos outros.”

 

Carl Sagan (1934-1996)

sagan.jpg

(O astrônomo e escritor Carl Sagan: “Não esqueça, nada de cartazes no espaço”)

“Minha experiência com a cannabis melhorou muito minha apreciação da arte, um tema que nunca pude apreciar antes. O entendimento do propósito do artista, que eu obtenho quando estou chapado, algumas vezes continua quando estou de cara. Esta é uma das muitas fronteiras humanas que a cannabis me ajudou a transpor. Tem também algumas sacadas relacionadas à arte –eu não sei se elas são verdadeiras ou falsas, mas foram muito divertidas de formular. Por exemplo: passei algum tempo doidão apreciando o trabalho do surrealista belga (na verdade francês) Yves Tanguy. Alguns anos mais tarde, ao emergir depois de um longo mergulho no Caribe, afundei exausto na praia formada pela erosão de um recife de coral nas proximidades. Examinando à toa os fragmentos arqueados de coral em tons pastel que formavam a praia, vi diante de mim uma pintura de Tanguy. Talvez ele tenha visitado uma praia assim na infância.” (leia o texto completo de Sagan sobre a maconha aqui. Em inglês.)

 

https://www.youtube.com/watch?v=mOwWCQauNQw

 

Alexandre Dumas (1802-1870)

dumas.jpg

(Dumas em 1855)

“Julgue por si mesmo, senhor Aladim –julgue, mas não se resuma a uma só tentativa. Como tudo o mais, precisamos acostumar os sentidos a uma primeira impressão, suave ou violenta, triste ou alegre. Há uma luta em nossa natureza contra essa substância divina –nas naturezas que não são feitas para o prazer e se aferram à dor. É preciso que a natureza subjugada sucumba no combate, o sonho tem que vencer a realidade e o sonho reinar supremo; então o sonho se transforma em realidade e a realidade se torna sonho. Mas que mudanças ocorrem! Apenas pela comparação da dor da existência verdadeira com as alegrias da existência assumida é que você desejará não mais viver, mas sonhar para sempre. Quando você retorna a esta esfera mundana de seu mundo visionário, é como se trocasse uma primavera napolitana pelo inverno da Lapônia –deixar o Paraíso pela Terra, céu pelo inferno! Experimente o haxixe, meu hóspede –experimente o haxixe.” (em O Conde de Monte Cristo)

 

Stephen King (1947-)

king.jpg

(Stephen King em ilustra de CrisVector)

“Eu acho que a maconha deveria não só ser legal como deveria ser uma indústria caseira. Seria maravilhoso para o Estado do Maine. Tem uma erva muito boa plantada em casa. Tenho certeza que seria ainda melhor se fosse possível cultivar em estufas, utilizando fertilizantes…”

 

Friederich Nietzsche (1844-1900)

nietzsche1.jpg

(Nietzsche: óleo sobre tela de Edvard Munch, 1906)

“Quando a gente quer se livrar de uma pressão insuportável o haxixe é necessário.”

 

Gilberto Freyre (1900-1987)

freyre.jpg

(Foto: Fundação Gilberto Freyre)

“Já fumamos a macumba ou diamba. Produz realmente visões e um como cansaço suave; a impressão de quem volta cansado dum baile, mas com a música ainda nos ouvidos.” (nas notas de Casa Grande & Senzala)

 

Ramon Del Valle-Inclán (1866-1936)

valle-inclan.jpg

 

(O espanhol Valle-Inclán fotografado por Alfonso em 1930)

–O México me pareceu um país destinado a fazer coisas maravilhosas. Tem uma capacidade que o mundo não sabe admirar em toda a sua grandeza: a revolucionária. Através dela avançará e evoluirá. Dela… e do cânhamo índico, que lhe faz viver em uma exaltação religiosa extraordinária.
–O cânhamo índico?
–A erva maconha ou cânhamo índico, que é o que os mexicanos fumam. É o que explica seu desprezo à morte, que lhes dá um valor sobre-humano. (entrevista ao jornal El Heraldo de Madri, 1918)

 

Charles Baudelaire (1821-1867)

baudelaire.jpg

(Baudelaire em daguerreótipo de 1850)

“Eis a felicidade! Uma colherinha bem cheia! A felicidade com toda a sua embriaguez, todas as suas loucuras, todas as suas criancices! Pode tomá-la sem medo; ninguém morre por causa disso. Seus órgãos físicos não sofrerão dano algum. Talvez mais tarde, se recorrer muitas vezes ao sortilégio do haxixe, diminuirá sua força de vontade e você será menos homem que agora; mas está tão longe o castigo e é tão difícil determinar a natureza do futuro desastre! Que risco você corre? Um pouco de cansaço nervoso no dia seguinte. Mas você não se expõe todos os dias a castigos maiores por menores recompensas?” (em Os Paraísos Artificiais)

 

Fonte: Socialista Morena

 

Editado por Sgt. John Pepper
  • Like 6
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Faça login para comentar

Você vai ser capaz de deixar um comentário após fazer o login



Entrar Agora
×
×
  • Criar Novo...