Ir para conteúdo

edi

Usuário Growroom
  • Total de itens

    584
  • Registro em

  • Última visita

  • Days Won

    3

edi last won the day on February 29 2016

edi had the most liked content!

3 Seguidores

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Bebbanburg

Últimos Visitantes

2143 visualizações

edi's Achievements

Newbie

Newbie (1/14)

947

Reputação

  1. Alguem sabe mais informaçoes sobre isso? Quais seriam os "casos excepcionais"?
  2. Corte analisava recurso de réu que foi pego em flagrante com drogas e alegou invasão ilegal da PM; placar foi de 8 a 1 http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,stf-decide-que-policia-so-pode-invadir-casas-sem-mandados-em-casos-excepcionais,1791643 O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira, 5, que a polícia só pode realizar buscas e apreensões em domicílios sem mandados judiciais em casos excepcionais e desde que, após a ocorrência, justifique o motivo da invasão. O recurso extraordinário foi motivado pelo caso de um réu que, pego em flagrante com drogas, acusou um suposto mandante que teve a casa invadida pela polícia sem autorização judicial. O placar final foi de oito votos a um, com divergência apresentada pelo ministro Marco Aurélio Mello. O ministro baseou o voto no caso concreto. Segundo ele, a Polícia Militar não pode invadir residências sem mandados judiciais e baseando-se apenas na denúncia de um corréu. Foto: Andre Dusek/Estadão O ministro relator Gilmar Mendes defendeu a tese de que, embora sejam permitidas, as buscas em residências sem autorização judicial devem ser submetidas a “rigoroso escrutínio” Os ministros Ricardo Lewandowski, Celso de Mello, Dias Tofolli, Rosa Weber, Luiz Fux, Edson Fachin e Teori Zavascki seguiram o voto do ministro relator, Gilmar Mendes. O relator defendeu a tese de que, embora sejam permitidas, as buscas em residências sem autorização judicial devem ser submetidas a “rigoroso escrutínio” após a invasão. “A entrada forçada em domicílio é legítima, mesmo à noite, desde que amparada em razões fundadas”, argumentou o ministro. Controle. Embora tenta acompanhado o voto de Mendes, o presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, afirmou que é preciso controlar o poder da polícia ao invadir propriedades privadas sem mandado judicial, “especialmente para os mais pobres” para evitar eventuais abusos por parte polícia. “A polícia não pode invadir e depois simplesmente pedir desculpas. É preciso de que nos cerquemos de todo o cuidado”, ressaltou. Por isso, o Supremo também determinou que a autoridade policial pode sofrer punição disciplinar, civil e penal se não conseguir justificar a invasão. Após a invasão sem mandado caberá ao Judiciário, via audiência de custódia, avaliar as razões que justificam a ação. Ao votar contrário ao relator, o ministro Marco Aurélio alegou que a mera suposição da prática de crime não deveria permitir invasão de domicílio pela Polícia Militar. “Estaremos esvaziando uma garantia constitucional”, disse. Ele citou o artigo 5º da Constituição, inciso XI, que diz que “a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial”. “A regra é a inviolabilidade da casa”, argumentou.
  3. Opa, obrigado por me avisar, não pesquisei antes de postar, abraço!
  4. Vocês já se perguntaram qual é o responsável pelos diferentes efeitos que a cannabis causa? Bem, é algo que eu andei me perguntando por esses dias e por sorte achei um artigo completíssimo da hightimes sobre o tema, que tentarei traduzir da melhor maneira pra dividir com todos os membros OBS - Esse artigo do Nico já foi compartilhado e discutido aqui. Além disso, esse tópico do @Shortlived discute extensivamente o assunto. Fonte - http://hightimes.com/grow/understanding-the-effects-of-indica-vs-sativa/ Entendendo os efeitos de indicas x sativas By Nico Escondido February 25, 2015 Ao longo das décadas, desde o início da proibição em 1937, o uso da cannabis por seres humanos tem sido muito mal compreendido, devido a falta de pesquisa, financiamento e da legalidade. Isso nos deixou adivinhando por que certas espécies - ou, mais precisamente, strains estirpes diferentes - da mesma planta provocam efeitos variados quando consumidas. Muitas hipóteses têm sido propostas ao longo dos anos, a maioria centralizando-se tanto nas diferenças entre espécies (indica vs. sativa) ou no conteúdo e proporções dos canabinóides. Com a atual mudança de visão política e pública da cannabis, estamos descobrindo - por meio de investigação científica e da tecnologia - que essas noções estão provavelmente incorretas. No entanto, um ponto central se mantém firme. Os efeitos variados que sentimos de uma variedade para outra é, na verdade, químico. Mas esses efeitos podem não ser provenientes dos compostos que pensávamos. Canabinóides vs. Terpenóides Até o momento, quase todo mundo que usa cannabis já ouviu falar de canabinóides. (Se você não ouviu, você realmente deve aprender mais sobre o que você coloca em seu corpo!) Já foram identificados mais de 85 canabinóides diferentes dentro da cannabis. Dos quais o mais famoso é o THC (tetrahidrocanabinol), composto químico psicoativo primário da cannabis. CBD (ou canabidiol) é o segundo canabinóide mais conhecido. O CBD ganhou destaque na década passada por meio de pesquisa científica, considerado não-psicoativo e responsável por muitas das propriedades terapêuticas e medicinais associadas à maconha medicinal. Terpenóides, ou terpenos, como eles muitas vezes são referidos (embora ligeiramente diferentes em sua natureza), são compostos químicos orgânicos produzidos por muitas plantas e geralmente carregam propriedades aromáticas ou de sabor. Terpenos são componentes essenciais da resina e são um fator importante para os óleos essenciais produzidos por uma planta. Na cannabis, são esses terpenos os mais responsáveis pelos cheiros e sabores que os usuários passaram a amar em suas estirpes favoritas. A pesquisa também está nos mostrando que podem ser estes terpenos os responsáveis pela variação de efeitos que sentimos de uma cepa para outra - e, certamente, de uma indica para uma sativa. A confusão da Taxonomia Os termos indica e sativa são classificações taxonômicas da planta gênero Cannabis sativa L. (L. significa Linnaeus e indica a autoridade de quem primeiro batizou a espécie - Carolus Linnaeus). Linnaeus incorretamente pensou que o gênero era monotípico, ou seja, teria apenas uma única espécie. Assim, o próprio nome do gênero é muito enganador porque ele usa incorretamente a palavra "sativa" na taxonomia. Esta classificação ocorreu antes que o mundo soubesse das três espécies distintas existentes dentro do gênero cannabis. Logo depois, a descoberta de Cannabis indica Lam. (Lam. Representa Jean-Baptiste Lamarck) e Cannabis ruderalis Janisch. (Descoberto pelo botânico russo D.E. Janichevsky) nos trouxe até onde estamos hoje com o entendimento de que Cannabis é o gênero de plantas e C. sativa, C. indica e C. ruderalis são as três espécies do gênero. Então, o que isso tudo tem a ver com os efeitos da cannabis? Bem, este exercício de taxonomia é um exemplo de o por quê dos nomes serem taxados desta maneira na ciência e como estas classificações não foram determinadas com base nos efeitos da planta. Na verdade, elas foram determinadas em grande parte pela localização geográfica (Lamarck descobriu a indica na Índia) e o nome da pessoa que faz cada descoberta (daí, L., Lam., Janisch.). É por isso que utilizando os termos indica e sativa para descrever os efeitos das variadas espécies e estirpes de cannabis é muito enganador e não é nada preciso. Esse termo só deve ser usado para ajudar a descrever linhagem, os padrões de crescimento e desenvolvimento, e regiões geográficas e climáticas de origem. Para não mencionar que 95% da estirpes de cannabis hoje são híbridas com apenas um punhado de linhagens da raça original, que se qualificam como sativa pura, indica ou ruderalis. Se não é Indica ou Sativa, então é o que? Infelizmente, os termos indica e sativa passaram a representar os efeitos definitivos da cannabis dentro de nossa nomenclatura cultural. Indica passou a indicar o efeito corporal, sensação de sedação, relaxamento ou "stoned". Por outro lado, sativa passou a significar um efeito mais energético e cerebral, levantador de ânimos. A verdade é que muitas indicas podem produzir estes efeitos "sativas", enquanto muitas sativas podem produzir uma sensação de "sonolência indica." Na realidade, a nossa cultura precisa começar a sair desta descrição dos efeitos da maconha como "indica" ou "sativa". Esses termos devem ser reservados apenas para growers, breeders e cientistas que querem articular os padrões de crescimento e necessidades, origem das espécies, épocas de floração ou linhagem genética. Quando se trata de falar sobre os efeitos das estirpes, temos de avançar na discussão de terpenos. No ano passado, o Dr. Jeffery Hergenrather, presidente da Sociedade Médica da Cannabis, abordou a questão das relações entre canabinóides X terpenos no site medicaljane.com dizendo: "Enquanto as proporções de canabinóides na maioria das espécies podem ser aproximadamente as mesmas, é o teor de terpenos que geralmente cria as diferentes qualidades que analisamos como a diferença entre indicas e sativas. É altamente provável que os terpenos podem muito bem alterar as propriedades dos canabinóides. Testes padronizados são essenciais para o avanço da nossa compreensão deste assunto." Durante anos, pacientes de cannabis, cultivadores, médicos e usuários recreativos atribuíram aos efeitos da cannabis as diferentes proporções de canabinóides, mas agora sabemos que os terpenos também desempenham um papel central na determinação destes efeitos. A teoria conhecida como o "efeito entourage", que foi publicada há alguns anos por O'Shaughnessy, lança uma luz sobre como terpenos e canabinóides se combinam para produzir o efeito pro usuário. Em cima disso, há pesquisas que sugerem que estes efeitos também podem variar de usuário para usuário, porque cada ser humano tem seu próprio metabolismo que combina com estes compostos químicos. O que sabemos? Todas as informações acima são relativamente novas na ciência. E a pesquisa real está apenas começando agora nos estados americanos onde a cannabis é legal, como Colorado, Washington e Oregon. Universidades, como a Universidade do Colorado, Boulder, estão começando a permitir que programas de pesquisa completos sejam criados fora da jurisdição do governo e sem a intervenção de indústrias que têm um interesse nos resultados. Isso permitirá que os cientistas, médicos e criadores de maconha saibam mais sobre as interações entre os canabinóides, terpenóides e seres humanos. Ainda assim, até o momento, sabemos algumas coisas sobre como os terpenos e canabinóides trabalham para produzir os efeitos que provocam. Por exemplo, sabemos que se THC é naturalmente energético. Se tivéssemos a oportunidade de ingerir apenas o THC, teríamos um efeito energético, muito parecido com o que a maioria de nós conhecemos como um efeito "sativa" . No entanto, também sabemos que algumas indicas têm níveis de THC mais elevados do que muitas sativas, mas estas indicas estão produzindo o efeito contrário -, uma sensação de sonolência que te derruba no sofá. Então, a velha teoria de que as sativas são mais elevadas em THC e por isso produzem um efeito diferente não é realmente precisa. Na verdade, após um estudo mais minucioso, descobrimos que muitas das cepas que produzem o efeito "indica" têm altas concentrações do terpeno chamado mirceno. Mirceno também está presente no lúpulo, e muitas vezes é considerado o responsável pelo efeito sedativo que temos quando bebemos cervejas do tipo hoppy como as IPAs. E, assim como o mirceno, existem outros terpenos, tais como o caryophylleno, terpinoleno, pineno e limoneno. Alguns destes contribuem com o sabor ou aroma, enquanto outros podem criar variados efeitos físicos ou mentais. Todos eles provavelmente fazem coisas diferentes quando presentes em diferentes níveis e quando misturadas à diferentes proporções de THC, CBD, THC-V, CBG e assim por diante. Então, qual é a verdade sobre indicas, sativas, canabinóides e terpenóides? Qual é a verdade por trás de como nos sentimos quando fumamos uma OG Kush e de como nos sentimos quando fumamos uma Haze? A verdade é que estamos nos primórdios da compreensão da cannabis que ingerimos. A verdade é que esta é apenas a ponta do iceberg. Porque conforme nos aproximamos da regularização e legalização completa da cannabis, este não será o fim da estrada, mas sim apenas o início de uma nova jornada. Obrigado a todos pela leitura lembrem-se: Grow… and help the world grow, too! Cresçam ... e ajudem o mundo a crescer também!
  5. edi

    Leite Cannábico

    Galera vou ensinar uma forma muito simples de vc extrair no leite, tava procurando uma postagem minha aqui e vi as duvidas com essa extraçao tao simples maconha equivalente à 1 beck 300 ml de leite colocar no fogo baixo, jogar a maconha dixavada, mexer por 30 minutos, coar todo o leite ATÉ A ULTIMA GOTA coloca no copo, mistura nescau se quiser, se quiser mistura mais leite gelado por cima, toma o negocio espera 1 hora bem vindo a nárnia
  6. Opa boa tarde. Primeiro gostaria de informar que prensado não é aconselhável para ser ingerido, mesmo se lavado. A proporção que vc usou de 25g / 500ml é altissima, 10 ml chapa com certeza, e por ser ingerido pode ter certeza que chapa mais que um beck. Eu faço óleo medicinal na metade da proporção que vc fez, uso 25g de buds e folhas resinadas pra 1000ml, e meu remédio é tomado em gotas(20-30 gotas no máximo numa dose, que EU tomo e eu ja tenho resistência aos canabinoides). Se eu tomar 10ml(umas 100 gotas) com ctz vai dar algum efeito psicoativo, então nao é placebo nao, e cuidado porque superdosagem pode causar efeitos extremamente incômodos, principalmente em alguem que não está buscando o uso recreativo.
  7. muito bom, farei em breve com certeza. uma duvida @laguerte, eu faço o rsho de uso tópico na panela de arroz, que limita a temperatura em 100 graus. posso fazer a pomada numa panela dessas, dispensando a agua? abraço
  8. pena que inventei de umedecer um algodao com um óleo que eu fiz, e colocar no vidrinho pra vaporizar no solo, deu certo mas ficou todo melecado depois kkkk, agora voltei pros antigos até ter saco pra limpar no alcool
  9. esses vidros menores com o bocal de plastico, eu acho bem melhor tambem, comprei um no ML por R$60 e nao me arrependi
  10. poe na agua morna agatha, e usa um pano pra tentar desenroscar
  11. edi

    Macro Luz Branca

    Beleza relaxa ainda tem 10 semanas de flora pra eu matar minha curiosidade de ver sua filha hahah
  12. edi

    Critical Hog

    Qual foi a ultima rega com fert? Tambem acho que independente do dia da faca ja pode flushar agora!
×
×
  • Criar Novo...