Ir para conteúdo

A maconha de D.


Smoking-Green

Recommended Posts

Não sei se ja foi postado aqui, mas eu não achei na busca... Achei bem interessante:

-----------------------------------------

A maconha de D.

Gilberto Dimenstein

colunista da Folha

Ajudado por psiquiatras, D., 25, está experimentando a maconha como remédio para se livrar do vício do crack. "Por enquanto está funcionando", diz. "Para ele, esse recurso é um mal menor", completa o psiquiatra Marcelo Niel, do Proad (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes), da Universidade Federal de São Paulo.

Niel faz o acompanhamento semanal de D., que, além do recurso da redução de danos -no caso, a troca do crack pela maconha-, toma remédios e faz terapia. "Fiz várias tentativas de parar com o crack, mas tinha recaídas", conta D., que resolveu se tratar depois que já não conseguia mais estudar ou trabalhar. Nesse ponto, já tinha perdido seus amigos. Com as recaídas, vinham surtos de depressão.

Na Universidade Federal de São Paulo, ele viu uma nova possibilidade: a de usar a maconha como uma espécie de truque para enganar o crack. "No início, achei esquisito, mas resolvi tentar." O objetivo era apenas reduzir a "fissura" provocada pela falta do crack. Inicialmente, mesmo usando esse "truque", ocorriam recaídas, mas elas foram se tornando mais espaçadas.

Há dois meses ele se mantém longe do crack. "Estou conseguindo manter o controle." O testemunho é confirmado pela mãe de D. "Sinto meu filho mais seguro." A vida se tornou menos difícil para D. também porque ele começou a namorar. "Minha namorada virou um ponto de contato", afirma.

Ele sabe que ainda tem um longo caminho pela frente e sabe que, nesse jogo, a cura é difícil. "Vou ter que me controlar sempre." Esse roteiro de D. faz parte de uma experiência do Proad, da qual participa Marcelo Niel, em que viciados em crack são estimulados a praticar a redução de danos -até aqui, os resultados são animadores. Muitos deixaram o crack e, depois, a maconha. "Mas só funciona se tomar remédios e também passar por terapia", adverte D.

O desejo dos pesquisadores é facilitar a vida do viciado, tirando-o do contato com a marginalidade. Eles querem que médicos possam, oficialmente, prescrever maconha a viciados em outras drogas. "O fato de não me sentir culpado por usar maconha está me ajudando a me respeitar mais", diz D.

Gilberto Dimenstein, 47, é jornalista e membro do Conselho Editorial da Folha e faz parte do board do programa de Direitos Humanos da Universidade de Columbia (EUA). Criou a ONG Cidade Escola Aprendiz, em São Paulo.

Fonte- http://www.antidrogas.org.br/mostraartigo.php?c=332

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom
O desejo dos pesquisadores é facilitar a vida do viciado, tirando-o do contato com a marginalidade. Eles querem que médicos possam, oficialmente, prescrever maconha a viciados em outras drogas. "O fato de não me sentir culpado por usar maconha está me ajudando a me respeitar mais", diz D.

Bem que eles poderiam prescrever maconha para os viciados em maconha! uhaeuhaehu

Mas falando sério, o crack é uma das piores coisas q existem, essas atitudes mostram mais um motivo para a luta da legalização, pode ser um tratamento para substituição de drogas que (realmente) causam danos!

clapclapclapB)

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Interessante. Já tinha lido algo a respeito. Mas esses psiquiatras não estariam se arriscando receitando maconha?? Pelo menos nessa legislação...

Que nada... A Marilia Gabriela entrevistou uma psicologa q eh diretoria da associação mundial de redução de danos... Ela tipo que "indicou" um paciente dela q usava crack a troca-lo por maconha :D

Alias, essa entrevista eh foda d+++++++++++

Flw

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Com certeza esse método é uma das melhores formas de tirar o vício, não só do crack como do álcool por exemplo. Eu tinha um amigo alcoolatra que fez isso. A vida do cara tava totalmente fudida, até que um cara apresentou um pra ele, ae o cara trocou o álcool pela maconha. Hoje ele diz que quer distância dos botecos, arranjou emprego e é outra pessoa. Deus abençoe a Santa Maria.

Outra forma de fazer isso, que muitos estão usando, é curar os viciados (crack, cocaína, alcool) com Hayuaska. Tem um "ponto" do Santo Daime na minha cidade por exemplo, que eles fazem só isso (não é a igreja, é um ponto de cura para viciados mesmo). Tenho visto bons resultados dos que frequentam lá.

O que é importante lá, é acabar com a síndrome de abstinência da droga estimulante (alcool, coca). Os principais sintomas é depressão, pânico, paranóia... Ae o cara vai lá, toma aqueles copão de hayuaska que pensa que vai morrer ou que já morreu, rsrsrsrsrs... Ae o cara vê que nada acontece (o "comandante" da igreja fala -guenta um monte de crack e naum poode com um copinho de chá ????) quando o cara "acorda" do daime pensa 2x antes de entrar em pânico... rsrsrsrsrs. É muito engraçado.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Pois é, imagina o prejuízo que a Brahma não ia ter se os maconheiros saíssem por aí distribuindo baseado pros bêbados dizendo "experimente fumar um, não dá dor de cabeça, nem ressaca, e a onda é muito melhor, da paz..."

Ou a Souza Cruz... mesma coisa...

Sabe quanto o governo arrecada com impostos sobre cigarros e bebidas ? Nem eu, mas deve ser bastante... srrsrsrs...

Puizé...

O governo quer dinheiro, não cidadãos sadios e de bem com a vida.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 2 weeks later...

Faça login para comentar

Você vai ser capaz de deixar um comentário após fazer o login



Entrar Agora
×
×
  • Criar Novo...