Ir para conteúdo

Saiba Mais Sobre O Uso Da Maconha No Tratamento De Doenças


Sativa.

Recommended Posts

  • Usuário Growroom

Saiba mais sobre o uso da maconha no tratamento de doenças

tn_620_600_maconha_1911doze.jpg

Em 19 estados norte-americanos o uso da droga é permitido no tratamento de câncer e esclerose múltipla

19/11/2012 | 08:32 Mariana Scoz

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Já o canabidiol combate alguns dos efeitos adversos do THC e age como ansiolítico. Um estudo da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) mostrou que essa substância diminuiu a ansiedade de pacientes com fobia social. “Ele pode ser uma alternativa como medicação para a ansiedade. Ele não causa dependência, tolerância, nem sedação como outros remédios disponíveis que tratam o problema”, diz o psiquiatra e professor do departamento de Neuropsiquiatria da Faculdade de Medicina da USP José Alexandre de Souza Crippa. Ele destaca que o canabidiol não causou nenhum efeito adverso nos pacientes do estudo.

Estudos

Entre as novas pesquisas, Crippa cita as que mostram os efeitos da substância como anti-inflamatório, que poderia ser usado para a asma, e como neuroprotetor, podendo favorecer o tratamento das doenças de Parkinson e, talvez, Alzheimer. “Estamos testando na dependência do tabagismo e temos um estudo importante, em parceria com a Unifesp, para testar também na dependência de crack”, acrescenta.

O psicofarmacologista Elisaldo Carlini , diretor do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), destaca outros usos da droga. “Além do efeito ansiolítico, outros países estão usando a maconha para pessoas que perderam totalmente o apetite, especialmente as que sofrem com aids ou câncer terminal”, diz. A forma de cigarro, entretanto, encontra resistência em alguns pacientes no exterior. “Pessoas mais idosas não gostam de fumar o cigarro, por causa das alterações mentais.”

Não há justificativa médica, porém, para a recomendação de cigarros de maconha, segundo Crippa. “O efeito de se fumar a maconha depende de uma série de fatores. Não há como saber a concentração dos diferentes compostos naquela amostra e, além disso, o cigarro pode ser cancerígeno”, diz.

Canabidiol zera efeitos adversos do THC

O tetrahidrocanabinol (THC) e o canabidiol, substâncias encontradas na maconha, são usados como princípio ativo em medicamentos de muitos países. Diversas formas do THC já são usadas há anos, inclusive em versão sintética. A substância é responsável pelos efeitos adversos do uso da maconha e doses altas podem induzir ataques de pânico e crises psicóticas. Estudos mostraram, contudo, que o canabidiol tem a capacidade de manter os efeitos benéficos do THC e excluir os ruins.

Um laboratório inglês desenvolveu um spray sublingual com os dois componentes para o tratamento de dores e espasmos musculares, sem os efeitos adversos. “A associação dos dois modifica o efeito do THC, diminuindo a ansiedade e prolongando o tempo de ação”, diz o psicofarmacologista da Unifesp e diretor do Cebrid, Elisaldo Carlini.

Tratamento

Entre os países que liberam o uso médico da maconha estão Estados Unidos, Itália, Canadá, Espanha, Israel e Reino Unido. Na Holanda, existem produtos fabricados com a própria planta in natura, cultivados pelo Ministério da Saúde e distribuído pelas farmácias. Nesse país, são preparados cigarros a partir de receitas médicas controladas, explica Carlini.

No Brasil, a legislação não permite o uso medicinal da planta cannabis nem de medicamentos que contenham em sua composição extratos, mas prevê a possibilidade de autorização para casos específicos.

Nesta parte podemos enviar cartas para o Jornal de Londrina para serem publicadas na coluna do Leitor :

Você é a favor ou contra o uso da maconha para tratamento médico?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

http://www.jornaldelondrina.com.br/cidades/conteudo.phtml?tl=1&id=1319556&tit=saiba-mais-sobre-o-uso-da-maconha-no-tratamento-de-doencas

  • Like 4
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

da hora esta notícia, faltou um pedaço do texto, segue:

Em paralelo ao debate sobre a legalização da maconha, cresce o número de pesquisas a respeito do potencial médico de substâncias presentes na planta. Câncer, glaucoma e esclerose múltipla são algumas das doenças para as quais o uso terapêutico da droga já é permitido em 19 estados dos Estados Unidos. O último deles foi Massachusetts, que aprovou o uso em plebiscito durante as eleições americanas. A ciência, agora, caminha para encontrar outras aplicações para os componentes ativos da maconha.

Entre 400 substâncias que compõem a cannabis, apenas duas têm comprovadamente efeitos terapêuticos: o tetrahidrocanabinol (THC) e o canabidiol. O THC é responsável pelos efeitos conhecidos da maconha, como a vermelhidão dos olhos e alteração na percepção do tempo. Ele é indicado para náuseas e vômitos, induzidos pela quimioterapia do câncer, e dores neuropáticas.

Liberação

Nos Estados Unidos, 18 estados e o distrito de Columbia já aprovaram o uso medicinal da maconha, além de dois, Colorado e Washington, que liberaram também o uso recreativo. No Brasil, existem pesquisas sendo feitas em universidades, mas o uso medicinal é proibido, a não ser em casos específicos que necessitam de autorização. Veja algumas das doenças que podem utilizar a maconha como tratamento adicional nos estados norte-americanos:

• Câncer. Nos efeitos adversos da quimiote­­rapia, como náuseas e vômitos. A maconha seria eficiente em reduzir esses sintomas.

• Esclerose múltipla e outras doenças do sistema nervoso.

• HIV/AIDS e outras doenças que causam caquexia, que é uma perda de peso rápida associada a diversas doenças pulmonares, renais, cardíacas.

• Glaucoma.

• Epilepsia e outros tipos de convulsão.

• Doença de Alzheimer.

Na berlinda

Você é a favor ou contra o uso da maconha para tratamento médico?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Já o canabidiol combate alguns dos efeitos adversos do THC e age como ansiolítico. Um estudo da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) mostrou que essa substância diminuiu a ansiedade de pacientes com fobia social. “Ele pode ser uma alternativa como medicação para a ansiedade. Ele não causa dependência, tolerância, nem sedação como outros remédios disponíveis que tratam o problema”, diz o psiquiatra e professor do departamento de Neuropsiquiatria da Faculdade de Medicina da USP José Alexandre de Souza Crippa. Ele destaca que o canabidiol não causou nenhum efeito adverso nos pacientes do estudo.

Estudos

Entre as novas pesquisas, Crippa cita as que mostram os efeitos da substância como anti-inflamatório, que poderia ser usado para a asma, e como neuroprotetor, podendo favorecer o tratamento das doenças de Parkinson e, talvez, Alzheimer. “Estamos testando na dependência do tabagismo e temos um estudo importante, em parceria com a Unifesp, para testar também na dependência de crack”, acrescenta.

O psicofarmacologista Elisaldo Carlini , diretor do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), destaca outros usos da droga. “Além do efeito ansiolítico, outros países estão usando a maconha para pessoas que perderam totalmente o apetite, especialmente as que sofrem com aids ou câncer terminal”, diz. A forma de cigarro, entretanto, encontra resistência em alguns pacientes no exterior. “Pessoas mais idosas não gostam de fumar o cigarro, por causa das alterações mentais.”

Não há justificativa médica, porém, para a recomendação de cigarros de maconha, segundo Crippa. “O efeito de se fumar a maconha depende de uma série de fatores. Não há como saber a concentração dos diferentes compostos naquela amostra e, além disso, o cigarro pode ser cancerígeno”, diz.

Canabidiol zera efeitos adversos do THC

O tetrahidrocanabinol (THC) e o canabidiol, substâncias encontradas na maconha, são usados como princípio ativo em medicamentos de muitos países. Diversas formas do THC já são usadas há anos, inclusive em versão sintética. A substância é responsável pelos efeitos adversos do uso da maconha e doses altas podem induzir ataques de pânico e crises psicóticas. Estudos mostraram, contudo, que o canabidiol tem a capacidade de manter os efeitos benéficos do THC e excluir os ruins.

Um laboratório inglês desenvolveu um spray sublingual com os dois componentes para o tratamento de dores e espasmos musculares, sem os efeitos adversos. “A associação dos dois modifica o efeito do THC, diminuindo a ansiedade e prolongando o tempo de ação”, diz o psicofarmacologista da Unifesp e diretor do Cebrid, Elisaldo Carlini.

Tratamento

Entre os países que liberam o uso médico da maconha estão Estados Unidos, Itália, Canadá, Espanha, Israel e Reino Unido. Na Holanda, existem produtos fabricados com a própria planta in natura, cultivados pelo Ministério da Saúde e distribuído pelas farmácias. Nesse país, são preparados cigarros a partir de receitas médicas controladas, explica Carlini.

No Brasil, a legislação não permite o uso medicinal da planta cannabis nem de medicamentos que contenham em sua composição extratos, mas prevê a possibilidade de autorização para casos específicos.

  • Like 3
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

O uso da maconha para tratar doenças

Jose Luis Gonzalez/ Reuterstn_627_600_maconha_1911doze.jpgDuas substâncias que compõem a cannabis, a tetrahidro­canabinol (THC) e o canabidiol, teriam uso terapêutico

Descobertas

Em 19 estados norte-americanos o uso da droga é permitido no tratamento de câncer e esclerose múltipla

19/11/2012 | 07:29 | Mariana Scoz

Em paralelo ao debate sobre a legalização da maconha, cresce o número de pesquisas a respeito do potencial médico de substâncias presentes na planta. Câncer, glaucoma e esclerose múltipla são algumas das doenças para as quais o uso terapêutico da droga já é permitido em 19 estados dos Estados Unidos. O último deles foi Massachusetts, que aprovou o uso em plebiscito durante as eleições americanas. A ciência, agora, caminha para encontrar outras aplicações para os componentes ativos da maconha.

Entre 400 substâncias que compõem a cannabis, apenas duas têm comprovadamente efeitos terapêuticos: o tetrahidrocanabinol (THC) e o canabidiol. O THC é responsável pelos efeitos conhecidos da maconha, como a vermelhidão dos olhos e alteração na percepção do tempo. Ele é indicado para náuseas e vômitos, induzidos pela quimioterapia do câncer, e dores neuropáticas.

Liberação

Nos Estados Unidos, 18 estados e o distrito de Columbia já aprovaram o uso medicinal da maconha, além de dois, Colorado e Washington, que liberaram também o uso recreativo. No Brasil, existem pesquisas sendo feitas em universidades, mas o uso medicinal é proibido, a não ser em casos específicos que necessitam de autorização. Veja algumas das doenças que podem utilizar a maconha como tratamento adicional nos estados norte-americanos:

• Câncer. Nos efeitos adversos da quimiote­­rapia, como náuseas e vômitos. A maconha seria eficiente em reduzir esses sintomas.

• Esclerose múltipla e outras doenças do sistema nervoso.

• HIV/AIDS e outras doenças que causam caquexia, que é uma perda de peso rápida associada a diversas doenças pulmonares, renais, cardíacas.

• Glaucoma.

• Epilepsia e outros tipos de convulsão.

• Doença de Alzheimer.

Na berlinda

Você é a favor ou contra o uso da maconha para tratamento médico?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Já o canabidiol combate alguns dos efeitos adversos do THC e age como ansiolítico. Um estudo da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) mostrou que essa substância diminuiu a ansiedade de pacientes com fobia social. “Ele pode ser uma alternativa como medicação para a ansiedade. Ele não causa dependência, tolerância, nem sedação como outros remédios disponíveis que tratam o problema”, diz o psiquiatra e professor do departamento de Neuropsiquiatria da Faculdade de Medicina da USP José Alexandre de Souza Crippa. Ele destaca que o canabidiol não causou nenhum efeito adverso nos pacientes do estudo.

Estudos

Entre as novas pesquisas, Crippa cita as que mostram os efeitos da substância como anti-inflamatório, que poderia ser usado para a asma, e como neuroprotetor, podendo favorecer o tratamento das doenças de Parkinson e, talvez, Alzheimer. “Estamos testando na dependência do tabagismo e temos um estudo importante, em parceria com a Unifesp, para testar também na dependência de crack”, acrescenta.

O psicofarmacologista Elisaldo Carlini , diretor do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), destaca outros usos da droga. “Além do efeito ansiolítico, outros países estão usando a maconha para pessoas que perderam totalmente o apetite, especialmente as que sofrem com aids ou câncer terminal”, diz. A forma de cigarro, entretanto, encontra resistência em alguns pacientes no exterior. “Pessoas mais idosas não gostam de fumar o cigarro, por causa das alterações mentais.”

Não há justificativa médica, porém, para a recomendação de cigarros de maconha, segundo Crippa. “O efeito de se fumar a maconha depende de uma série de fatores. Não há como saber a concentração dos diferentes compostos naquela amostra e, além disso, o cigarro pode ser cancerígeno”, diz.

Canabidiol zera efeitos adversos do THC

O tetrahidrocanabinol (THC) e o canabidiol, substâncias encontradas na maconha, são usados como princípio ativo em medicamentos de muitos países. Diversas formas do THC já são usadas há anos, inclusive em versão sintética. A substância é responsável pelos efeitos adversos do uso da maconha e doses altas podem induzir ataques de pânico e crises psicóticas. Estudos mostraram, contudo, que o canabidiol tem a capacidade de manter os efeitos benéficos do THC e excluir os ruins.

Um laboratório inglês desenvolveu um spray sublingual com os dois componentes para o tratamento de dores e espasmos musculares, sem os efeitos adversos. “A associação dos dois modifica o efeito do THC, diminuindo a ansiedade e prolongando o tempo de ação”, diz o psicofarmacologista da Unifesp e diretor do Cebrid, Elisaldo Carlini.

Tratamento

Entre os países que liberam o uso médico da maconha estão Estados Unidos, Itália, Canadá, Espanha, Israel e Reino Unido. Na Holanda, existem produtos fabricados com a própria planta in natura, cultivados pelo Ministério da Saúde e distribuído pelas farmácias. Nesse país, são preparados cigarros a partir de receitas médicas controladas, explica Carlini.

No Brasil, a legislação não permite o uso medicinal da planta cannabis nem de medicamentos que contenham em sua composição extratos, mas prevê a possibilidade de autorização para casos específicos.

fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/saude/conteudo.phtml?tl=1&id=1319469&tit=O-uso-da-maconha-para-tratar-doencas

  • Like 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Faça login para comentar

Você vai ser capaz de deixar um comentário após fazer o login



Entrar Agora
×
×
  • Criar Novo...