Ir para conteúdo

GreenBack

Usuário Growroom
  • Total de itens

    266
  • Registro em

  • Última visita

1 Seguidor

Profile Information

  • Gender
    Male

Últimos Visitantes

3623 visualizações

GreenBack's Achievements

Newbie

Newbie (1/14)

89

Reputação

  1. Vo6 acham que vale a pena importar painel de led da China?

    1. Mostrar comentários anteriores  %s mais
    2. homem do campo

      homem do campo

      aqui tenho um 300w ali express de flora que bomba legal... rende um pouco menos q hps, mas os buds ficam mais compactos e densos e talvez resine um pouco mais.. 6 marias nele

      elas ficam mais baixas, mas bem gordinhas...

      vai pra 2 anos de uso ja e ta funcionando legal

    3. BabylonDread

      BabylonDread

      Opa posso responder aqui ainda? QUal é o modelo do seu led mano, preciso de um pra flora e estou mais perdido que surdo no escuro

    4. homem do campo

      homem do campo

      300w já é bom..

      o meu não tinha marca mas agora lançaram um igual a ele com marca, e se chama LAPUTA led 300w

      abççç

  2. STF -  Indeferida liminar que pedia suspensão de ação penal por importação de sementes de maconha

    http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=317171&tip=UN

     

    1. Mostrar comentários anteriores  %s mais
    2. Juniaum

      Juniaum

      Evasão ou invasão de divisas!?;)

    3. Mitocondria

      Mitocondria

      Por incrivel que pareca eu gosto do serra, se nao fosse por ele a saude ia ser um caos 10 x pior sem os genericos.

       

      Agora... esses passaportes são deprimentes... pra comecar essa bancada evangelica é um retrocesso .

       

       

    4. Embargos Infringentes

      Embargos Infringentes

      Mas que barbaridade tche!

  3. Salve galera... da para substituir o FloraNovaBloom pelo Biobizz - Bio Bloom? Não estou achando o FloraNovaBloom para comprar. 

    1. fael7l

      fael7l

      Dá sim amigo! Cumprem a mesma função.

    2. GreenBack
    3. fael7l

      fael7l

      Que isso irmão, precisando tamo aí :)

  4. Caraaalhoo... mto feliz. depois de 2 anos IP arquivado!!! 

    1. Mostrar comentários anteriores  %s mais
    2. naopossodizer

      naopossodizer

      Deve ser Inquérito Policial né. Acende a vela pra comemorar!

    3. dig420

      dig420

      hmmm.. Aee sim =)

    4. GreenBack

      GreenBack

      Ja fumemorei legal... hehehe

      é noix B)

    1. dig420

      dig420

      E quando seria isso??

    2. CannaCult
    3. Sevenfold

      Sevenfold

      Mais os julgamentos são as quartas e quintas não? Salvo engano.. 01/09 é uma terça feira

  5. Salve CJGR, blz?! Minha dúvida é a seguinte. No caso de importação de seeds. Se o MPF me denunciar e o fato for julgado atípico. Se eu tirar uma certidão de antecedentes criminais vai sair esse registro? Mesmo eu sendo absolvido com fundamento da atipicidade da conduto de importar seeds. Abç PAZ
  6. Olhem o vídeo que está no site da Justiça Federal de São Paulo (no rodapé do site) http://www.jfsp.jus.br/

    1. Mostrar comentários anteriores  %s mais
    2. pernambuco legalize

      pernambuco legalize

      com tempo RpLost o pensamento vai ser esse vai ser muita gente procurando...

    3. playmogil
    4. Fabrício BrasilC (olho)
  7. Chegou a intimalção da PF de compra feita em 2013. Maior bad! Triste pra caramba!!!

    1. Mostrar comentários anteriores  %s mais
    2. Coruja verde
    3. tiago_loko

      tiago_loko

      Mano relaxa um parceiro pediu umas seeds tambem e a policia aprendeu ai a policia pf de São Paulo mando a pf de marilia ir na casa dele chego la meu camarada ja entrego Tudo pra na ter problemas tinha uns 2 pes e algumas seeds a policia deu risada falo que fizerao eles perderem tempo em ir la so levarao os pes as seeds e nao deu nada nao o truta vai responde o b.o mais nao viro nada entao relaxa vai dar Tudo certo

    4. GreenBack

      GreenBack

      Valeu pela força galera.

  8. 'É um absurdo alguém proibir plantar maconha no seu próprio quintal', diz Erasmo Carlos http://www.territorioeldorado.limao.com.br/musica/mus328245.shtm

    1. JapaFungi

      JapaFungi

      O Tremendão é um cara muito foda!

  9. Prezado(a), A proposta de debate Contra o narcotráfico, cultive seus direitos, colha liberdade. do Portal e-Cidadania do Senado Federal está Na Comissão de Educação, Cultura e Esporte.

    1. ganjaxalisto

      ganjaxalisto

      e quando sera que vao dbater...???

    2. Fabrício BrasilC (olho)

      Fabrício BrasilC (olho)

      quem preside essa comissão é o romário não?

    3. ganjaxalisto
  10. Salve CJGR, tranquilidade? Acebei de ler e achei bastante interessante esta decisão que rejeitou a denúncia de tráfico. O fato aconteceu no RS. Vale a leitura. " 001/2.14.0093641-0 (CNJ:.0422377-47.2014.8.21.0001) 1) O Ministério Público denunciou W. S. G., dando-o como incurso nas sanções do artigo 33, caput, c/c o artigo 40, inciso III, ambos da Lei nº 11.343/2006, pela prática do fato descrito nas fls. 02/03. Passo, pois, a analisar a presença dos requisitos legais e constitucionais necessários para o recebimento da denúncia. 2) A inicial acusatória é singela: isso porque não deixa claro o porquê de a situação fática exposta – apreensão de droga com o réu – implicar, necessariamente, na conclusão jurídica exposta – ser a droga para fornecimento a terceiros. Com efeito, para o ato de receber (ou não) a denúncia se prescinde de um exame aprofundado do acervo, no sentido de que é dispensável a certeza de que ‘foi fulano’ quem cometeu determinado crime; bastam, ‘apenas’, a prova da materialidade do delito e indícios (‘suficientes’) da autoria. Nada obstante estar demonstrada a materialidade delitiva, conforme o laudo pericial definitivo de avaliação da substância que acompanha a denúncia, o requisito da verificação de indícios mínimos de autoria, a seu turno, merece, no caso dos autos, análise mais detida. É que para a verificação dos indícios razoáveis de autora do tipo penal incriminador indicado na denúncia, deve haver elementos extraídos da investigação preliminar que denotem, em juízo de probabilidade, o ato de traficância. Não se exige, como já referido, que tais elementos probatórios gerem juízo de certeza, mas que ao menos justifiquem a admissão da imputação e o custo que a instauração do processo penal representa em termos de estigmatização e prejuízos de ordem processual (prisões cautelares, medidas cautelares diversas, apreensão de bens, etc.). Enfim, deve haver demonstração indiciária razoável da comercialização, entrega para consumo ou fornecimento da droga, mesmo que gratuitamente, a fim de se ter preenchido o requisito da justa causa para a instauração da ação penal. Como se pode perceber, os únicos elementos a respaldar a imputação do fato são os depoimentos dos policiais que participaram da ocorrência, os quais limitam-se a referir que o acusado estaria em local ‘conhecido’ (de quem? Da polícia, que nada faz?) como ponto de tráfico, em “atitude suspeita” e que, ao abordá-lo, encontraram droga e dinheiro. Ora, na perspectiva do Direito Penal mínimo, que orienta e legitima o controle social de ultima ratio adotado pelo Estado Brasileiro, não se pode imputar a alguém a autoria de tráfico de drogas pelo simples fato de se encontrar em local conhecido como ponto de venda de entorpecentes, portando determinada quantidade de droga e dinheiro trocado, se não houver elementos outros a indicar a conduta imputada. Deve-se ter presente em mente, nessa esteira, a fim de bem delinear a responsabilidade exigida pelo caso, que a alteração de tratamento promovida pela ‘nova’ Lei de Drogas ao abolir o apenamento corporal do usuário e amplificar as reprimendas e as restrições processuais ao traficante acabou criando, na dicção de Salo de Carvalho1, “dobras e lacunas de legalidade que permitem um amplo poder criminalizador aos agentes das polícias”, através de “estruturas normativas abertas, contraditórias ou complexas que criam zonas dúbias que são instantaneamente ocupadas pela lógica punitivista e encarceradora”, a qual ganha força e concretude na atuação dos agentes de persecução penal, quando agem no interesse de legitimar a profissão que ostentam e no afã de responder aos anseios da sociedade (que clama por sensação de segurança), ainda que para isso seja necessário o cometimento de abusos advindos de interpretações indevidamente alargadas. Pontua, ainda, o citado jurista, que não é necessária uma base criminológica crítica para perceber que a Nova Lei de Drogas, ao invés de definir precisamente os critérios de imputação, “prolifera metarregras que se fundem em determinadas imagens e representações sociais de quem são, onde vivem e onde circulam os traficantes e os consumidores”. Ou seja, as figuras pré-definidas do “elemento suspeito” e da “atitude suspeita”, em “local de venda de drogas”, descortinam os elementos interpretativos que no cotidiano policial criminalizam um grupo social vulnerável bem representado no sistema carcerário: “jovens pobres, em sua maioria negros, que vivem nas periferias dos grandes centros urbanos” (nesse sentido, Batista, 2003;Carvalho, 2013; Weigert, 2009; Mayora, 2011; Mayora, Garcia, Weigert &Carvalho, 2012). No caso concreto, chamo a atenção, não foi requisitada pelo órgão acusador qualquer investigação preliminar para determinar a origem da droga; a que título a possuía o denunciado; de quem e por qual razão adquiriu a droga; a que grupo pertenceria; ou quem seria o ‘patrão’ da suposta empreitada criminosa, já que não se atribui tais funções ao acusado e sabe-se que são essenciais, mesmo que de forma indiciária, à indicação do cometimento do tráfico e principalmente para distinguir-se o traficante da figura do usuário, sempre presente em locais de traficância. No caso dos autos, os policiais simplesmente pegaram o denunciado com a droga e enquadram-no como traficante. Mas só isso é muito pouco, mormente em se considerando a quantidade da droga e dos valores apreendidos, que é mínima. Salienta-se que, a referendar o raciocínio ora exposto, em recente decisão proferida pela Suprema Corte, na qual um acusado por tráfico de drogas foi absolvido, o Ministro Gilmar Mendes, relator do Habeas Corpus nº 1232212, afirmou que “a pequena quantidade de drogas e a ausência de outras diligências apontam que a instauração da ação penal com a condenação são medidas descabidas”. Ressaltou o Ministro, portanto, que sequer a propositura da ação penal seria medida adequada nesses casos. Disse, ainda, o Ministro Gilmar Mendes: “(…) vislumbro indicativos de que a mudança de tratamento promovida pela Lei 11.343/06, que aboliu a pena privativa de liberdade para usuário (art. 28), provocou uma reação inesperada e indesejável: fatos limítrofes, anteriormente registrados como uso, passaram a ser tratados como tráfico de drogas. Conforme dados do Infopen, em 2006, houve 47.472 prisões por tráfico de drogas. A Lei 11.343/06 entrou em vigor em outubro de 2006. No ano seguinte (2007), foram registradas 65.494 prisões por tráfico, um aumento de 38%. E essa escalada prosseguiu. Em 2010, foram 106.491 prisões. Tendo isso em vista, proponho seja oficiado ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), para que fomente a uniformização de procedimentos e a conscientização dos órgãos envolvidos na persecução penal acerca da importância da verificação, em todas as fases do procedimento, da justa causa para enquadramento mais gravoso – tráfico –, em lugar do mais benéfico – uso de drogas” Como visto, o relator propôs, e foi acolhido pela unanimidade dos Ministros, que se oficiasse ao CNJ no intuito de que avaliasse a possibilidade de uniformizar os procedimentos de aplicação da Lei nº 11.343/2006, no intuito de que os órgãos de persecusão penal empenhem-se na tarefa de reforçar, com maior zelo, a linha tênue que separa a intervenção penal sobre o traficante e sobre o usuário, tendo em vista a quantidade de casos semelhantes que chegam ao STF. Como asseverou o Ministro Celso de Mello, assentindo com a proposta após intenso debate, são “casos de inadequada qualificação jurídica que culminam por subverter a finalidade que motivou a edição dessa nova Lei de Drogas”. Reconhecida, assim, a insuficiência de elementos a indicar tráfico de drogas (mesmo no âmbito de uma cognição de aparência, não de certeza), verifica-se quadro fático de ausência de justa causa (“necessidade da existência de lastro probatório mínimo a comprovar a imputação”) para a ação penal, situação que impõe, pois, a rejeição da denúncia. 3) Pelo fundamentado, REJEITO A DENÚNCIA oferecida em desfavor de W. S. G., por ausência de justa causa, com fundamento no artigo 395, III, do Código de Processo Penal e com arrimo no que decidido pelo Egrégio Supremo Tribunal Federal no HC antes mencionado. Intimem-se. Com trânsito em julgado, preencha-se e remeta-se o BIE, devolvendo-o à origem, e dê-se baixa e arquive-se. Em 26/02/2015 Mauro Caum Gonçalves, Juiz de Direito. 1 Carvalho, Salo. Nas Trincheiras de uma Política Criminal com Derramamento de Sangue: depoimento sobre os danos diretos e colaterais provocados pela guerra às drogas in Ximendes, A. M. C.; Reis, C. & Oliveira, R. W. Entre Garantia de Direitos e Práticas Libertárias. Porto Alegre: CRPRS, 2013. 2(HC 123221, Relator(a): Min. GILMAR MENDES, Segunda Turma, julgado em 28/10/2014, PROCESSO ELETRÔNICO DJe-027 DIVULG 09-02-2015 PUBLIC 10-02-2015)" Fonte: http://emporiododireito.com.br/sem-indicios-minimos-da-mercancia-juiz-rejeita-denuncia-de-trafico/
    1. Mostrar comentários anteriores  %s mais
    2. Ilex p.

      Ilex p.

      Véi, vcs são tão comédia quanto o jornalistazinho... - "Uma plantação clandestina de maconha!!!" (óóóóóóhhhhh! :o:o ) e existe plantação de maconha que não seja clandestina no BR???? Comédias jornalistas, comédias "puliças" e "otoridades" em geral, comédia "growers"....

    3. Fabrício BrasilC (olho)

      Fabrício BrasilC (olho)

      essa esse link q tava procurando...valeu.

    4. catnip

      catnip

      não dá pra concluir nada. E esse monte de balança, por exemplo, não tem como saber se os trafica q ele "conhecia" q deram a letra pros hómi, já fornecendo material pra plantarem a cena. Quem precisa de 5 balanças? Parece teoria de conspiração, mas vai saber, pra ferrar a concorrência na época das máfias do álcool era a mesma coisa, polícia e contrabandista armando junto contra quem não entrasse no esquema.

  11. No facebook do jornal Carta Capital entrevista com o gil e uns bro que fazem oleo...

×
×
  • Criar Novo...