Ir para conteúdo

Leaderboard

Popular Content

Showing content with the highest reputation on 02/11/14 in all areas

  1. Eu juro por Jah que queria ser intimado, se tiver algum filho da puta desses aí vendo, que me intime, pode ser por aqui mesmo, nem precisa se dar ao luxo de me intimar. Manda a delegacia e seu nome, que vou me apresentar!!! Vou dizer como o Growroom, me libertou das mãos do tráfico. Quantos amigos arranjei, neste tempo de convivência. Quantas pessoas ajudei. E o que eu sou capaz de fazer se algum cultivador for transformado covardemente em traficante... Sou da paz, optei por fazer o bem, mas se fizerem covardia, chuto o balde e mostro a essa sociedade de merda o que é ser bandido, o que é ser um facínora!!! PAU NO CÚ DO PROIBICIONISMO!!! #somostodosgrowrrom E sai da frente, que o bagulho tá quente
    6 points
  2. Legalização do uso da maconha está na pauta do Alô Senado Grande parte das manifestações registradas na segunda-feira, 10/02, pela Central de Relacionamento do Senado dizia respeito à legalização do uso da maconha. A maioria dos cidadãos que ligaram para Alô Senado acreditam que a liberação diminuiria a violência decorrente do tráfico de drogas e que o uso medicinal traria benefícios à população. Ao defender a proposta, Lucas Vinícius Orico, de Jundiaí/SP, disse que “no tocante à liberação do plantio da maconha para uso pessoal. Segundo ele, dessa forma o usuário não precisará recorrer a um traficante para comprar a maconha e impedirá o fortalecendo do crime organizado”. Pedro Merçon Silva, de Niterói/RJ, sugeriu que o tema seja discutido em audiência pública. Segundo Yris Maria Silva dos Santos, de Santo Amaro/BA, “ao normalizar o uso da maconha, provavelmente ocorra a redução nos índices de violência no país”. Lembramos que as opiniões registradas pela Central de Relacionamento e pelas mídias sociais do Alô Senado, Twitter e Facebook, refletem a visão pessoal dos cidadãos que se manifestaram por intermédio destes canais de comunicação. Estas opiniões não podem, de forma alguma, ser extrapoladas para toda a população brasileira. http://www.senado.gov.br/senado/alosenado/default.asp?s=ap&a=v&r=2707
    5 points
  3. Só tenho uma coisa a dizer para os membros, aliados e adversários, o GROWROOM vai crescer nessa adversidade! Já começamos a expor nossas ideias e práticas para outra realidade com a Maconha! Daqui a alguns anos olharemos para trás e veremos que a mudança começou aqui nessa casa!
    4 points
  4. Não é verde mas é .... laranja? Cerrado Brasileiro por Fernando Marinho in FB 2013/2014. copyright.
    4 points
  5. Fase de assinar já passou! Já ta rolando! Galera da Marcha tem frequentado as Comissões para cobrar dos legisladores.
    3 points
  6. http://smkbd.com/suplicy-acha-importante-debate-sobre-uso-recreativo-da-maconha/ Não consegui copiar somente a entrevista com o Suplicy, mas ele opinou sobre a legalização do uso medicinal, industrial e recreativo. Enviei um email padrão para todos os emails divulgados no smkbd, solicitando continuidade no processo, e reconhecimento da voz da democracia, e de sua força, no quão rápido juntamos 20.000+ pessoas interessadas em uma proposta clara de legalização da cânabis.
    2 points
  7. Pedro, quem pode te responder essas perguntas com propriedade e certeza é somente um médico com a cabeça aberta à possibilidade da utilização da cannabis para o tratamento do lúpus. Se o médico que atende sua mulher não considera possível o uso da cannabis para o tratamento do lúpus, sugiro que vocês procurem outro profissional, pois esse além de defasado, provavelmente é um velho moralista.
    2 points
  8. AHAHAHA seu delegado to fumando um baseado, que isto aqui nao lhe encomode deixe eu poder fumar... vou pra brasilia, vou falar com a presidente, por decreto nessa gente pra coisa legalizar...
    2 points
  9. Esses caras que pregam esse papo de prensado é energia negativa, prensado é isso, prensado é aquilo,baita papo furado, oras vocês se apaixonaram pelo maconha não foi justamente pelo prensado, fedorento, horivel e que só tras bad, se fosse assim ninguém ia ser maconheiro. Outra esse papo de pedra em maconha eu num vi, primeiro o trafica vai querer vender só a pedra, já que o cara fica na fissura, segundo o maconheiro percebe que tem algo diferente na baranga, terceiro que o cheiro de pedra é igual plastico, se o cheio é igual plastico, imagina o gosto ? o cara que ta fumando não tem como não perceber, e planta quem pode, colhe quem é feliz.
    2 points
  10. O desespero proibicionista já esta fazendo os caras importarem teses do Quirguistão...
    2 points
  11. Veio não esquenta não ... eu sou colecionador de sementes ha mais de 20 anos ... compro, ganho, faco e vou mantendo tudo bem guardado na geladeira ... 2013 plantei uns skunk #1 da Sensi de 1998, de 4 nasceram 3 ... automáticas regulares, regulares, tem de tudo ...
    2 points
  12. Eu fico até com vergonha de falar com vocês que agora vai... mas sou um cara de fé, e agora vai! Olhando a pauta do STF dá pra ver que vários processos com repercussão geral estão para ser julgado, e o RE635659 vai entra logo na pauta. Quem quiser acompanhar, o link é http://www.stf.jus.br/portal/pauta/pesquisarCalendario.asp
    2 points
  13. Não vejo nada de oportunismo da parte do Deputado! Se ele nunca levantou a bandeira, sempre é hora de começar a levantar! E fato da sexualidade dele é o que menos me importa, assim como a opinião de proibicionistas sobre sua pessoa!
    2 points
  14. Maconha É Consumida Abertamente No Balneário Uruguaio De Punta Del Este Canga estampada esticada na grama sob a sombra de uma palmeira com vista para o mar. Em uma das mãos um refrigerante, na outra o cigarro de maconha. O vendedor José Luis López, 48, pita seu baseado como se não houvesse amanhã e não fosse de manhã em um dos locais mais movimentados e turísticos de Punta del Este, a "rambla" do porto. Algumas pessoas passam por ele no calçadão do famoso balneário uruguaio -que fica a 130 km da capital, Montevidéu- e, ao sentir a maresia, viram-se para checar quem está fumando. López não disfarça, não esconde o cigarro com as mãos. Afinal, não está fazendo nada de ilegal, já que o consumo da droga é permitido no Uruguai. O que mudará no país daqui a três meses é que a produção e a venda da maconha também serão legalizadas. Uruguaios e residentes no país maiores de 18 anos poderão se cadastrar para adquirir até 40 g mensais da erva em farmácias, conforme a lei aprovada em dezembro e que passará a vigorar em abril. O cultivo de até seis plantas por residência também será liberado. "Temos que aproveitar as poucas liberdades que o Estado nos dá", afirma López à Folha, enquanto apaga seu baseado, às 12h30 da última quinta-feira. "A lei é boa, mas o governo tinha que se preocupar com questões muito mais importantes, como o desemprego." Por causa da nova lei da maconha, neste verão fala-se muito mais abertamente sobre a droga em Punta. E algumas pessoas, como López, acendem seus cigarros com mais naturalidade, sem se importar tanto com quem está ao lado. No restaurante La Huella, na praia mais chique de Punta, José Ignacio, um fato inédito aconteceu neste verão, segundo o proprietário, Martín Pittaluga: um cliente acendeu um cigarro de maconha no meio da varanda do local, muito frequentado por celebridades brasileiras, argentinas e uruguaias. A vendedora de chapéus Cecilia Bonilla, 31, que há seis verões bate ponto em José Ignacio, conta que todos os dias um turista lhe pergunta onde conseguir maconha, o que não acontecia antes. "As pessoas perderam a vergonha de perguntar. E te digo uma coisa: todos têm mais de 40 anos. Antes era só a garotada que queria saber", diz. Entre os perguntadores mais assíduos, segundo ela, estão os argentinos. "Mas também tem americano, francês e brasileiro." A empresária argentina L.B., 37, que pediu para não ser identificada, frequenta José Ignacio há alguns anos e não nota um aumento do consumo da droga após a nova lei ter sido aprovada. "Adoraria ver mais gente fumando, assim eu já pediria para fumar também. Mas eu e meus amigos só fazemos isso em festas dentro de casa", diz ela, taça de vinho branco na mão e chapéu de caubói na cabeça. Nas praias Montoya e Bikini, duas das preferidas dos jovens, o consumo de maconha continua igual ao de outros verões, segundo alguns frequentadores. "Não aumentou por causa da lei. Continua a mesma coisa, alguns grupinhos que fumam à noite, nas pontas da praia ou nas baladas", diz Dayanna Rabuñal, 29, moradora de Montevidéu que vai sempre a Montoya no verão. FARMÁCIAS A Folha visitou cinco farmácias em praias e no centro de Punta del Este. Em todas, os vendedores relatam atender todos os dias algum turista perguntando se já se pode comprar maconha. "E sempre são homens, alguns com mais de 60 anos", entrega Isabel Soria, que trabalha há 22 anos na farmácia Campus. "E eu repito sempre a mesma coisa: turista não vai poder comprar, e a lei ainda não está em vigor." http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2014/01/1396603-maconha-e-consumida-abertamente-em-punta-del-este.shtml
    1 point
  15. Cultivadores de polêmica10/02/2014 | 06h04 Membros do movimento Growroom optam pelas plantações domésticas de maconha Participantes preferem horta em casa para evitar se expor recorrendo ao produto de traficantes http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2014/02/membros-do-movimento-growroom-optam-pelas-plantacoes-domesticas-de-maconha-4414755.html Kamila Almeida kamila.almeida@zerohora.com.br Há 12 anos, um grupo vem se organizando no Brasil, clandestinamente, para plantar maconha, em uma espécie de agricultura de subsistência. São três os objetivos: fugir dos traficantes, consumir um produto mais puro e engrossar a luta pela descriminalização. Estreando no cultivo de uma horta, um universitário da zona norte de Porto Alegre tem três minipés de maconha germinando no quarto, em vasos de dois litros, cercados por dois ventiladores improvisados com componentes de computador, um exaustor e lâmpadas fluorescentes. – Pode tocar, com cuidado. É como se fosse meu cachorrinho, meu bicho de estimação – alerta o estudante que não quer se identificar. O hobbie de growers (cultivadores, em inglês) como ele deu origem ao Growroom, um grupo de ativistas que luta pela descriminalização da cannabis e também pelo cultivo caseiro como uma forma de redução de danos e rompimento com o tráfico de drogas. Foi este o coletivo que chamou a atenção da polícia depois de divulgar na internet o vídeo de uma competição de maconha realizada em dezembro, na Capital. Com a repercussão, os participantes passaram a ser investigados pelo Departamento Estadual de Investigação do Narcotráfico (Denarc). Nesta semana, algumas pessoas serão ouvidas. Para os growers, o sigilo é o princípio maior. A divulgação das imagens foi um deslize que dividiu opiniões no movimento. A intenção foi dar segmento ao ativismo e fazer circular entre os membros uma recordação do evento. – Sabemos que é ilegal e que não podemos nos expor. Não falamos disso com ninguém que não seja do Growroom, não oferecemos e não vendemos nem para os nossos melhores amigos – garante um deles. Tal discrição levou a reportagem de Zero Hora a cumprir algumas exigências para poder visitar a casa do jovem na Zona Norte. De olhos vendados por óculos com película preta, a repórter chegou de táxi a um ponto de encontro combinado e seguiu no carro do ativista até o apartamento de classe média onde ele mora sozinho. Depois de todo o mistério no percurso para que não houvesse pista de onde fica a casa, o que se revelou foi uma estufa artesanal com dois caixotes montada no quarto. Ele se autorrecrutou para a tarefa depois de descobrir que, com o plantio, poderia se livrar da compra da droga no mercado negro. A erva foi plantada em 12 de novembro do ano passado e deu os primeiros sinais de germinação sete dias depois. Até agora, nenhuma flor apareceu para que, depois de seca e curada, fosse consumida, o que deve ocorrer em abril ou maio. Universitário mantém estufa artesanal para cultivo da erva em apartamento Fundado em 2002, o Growroom surgiu depois que um dos cultivadores passou um período estudando na Alemanha e trouxe a ideia de lá para o Brasil. No início, a intenção era de que fosse uma plataforma onde os usuários de cannabis pudessem discutir sobre cultivo como uma forma de redução de danos para si e para a sociedade. Com o tempo, os integrantes transformaram passatempo em militância. A Copa Growroom – onde 26 competidores apresentaram a sua produção – foi a evolução das discussões e de outros encontros informais que ocorriam pelo Brasil desde 2008 com o objetivo de sempre: fumar e trocar ideias sobre o movimento. Segundo eles, o comércio não é permitido nesses ambientes e só são convidados integrantes do fórum – espaço virtual para a troca de experiências sobre o plantio da erva. Justificam que, dificilmente, um cultivador conseguirá comercializar a droga, pois seria necessário um espaço muito amplo para a produção de maconha gerar excedente. Um dos participantes do grupo, do centro do país, explica que a erva prensada, vendida em bocas de fumo, é muito mais densa do que a flor, para ficar mais fácil transportar grandes quantidades. Cada flor resulta em um cigarro de até 1,5 grama. As melhores produções chegam a resultar em 200 gramas do produto, o que caberia em um pote médio. Como a colheita é feita a cada três meses, isso daria uma fração de 2,2 gramas de maconha para o consumo diário. – O cultivador é indiciado como traficante, na maioria das vezes, mas é só alguém buscando alternativa de se autoabastecer sem precisar comprar uma erva com qualidade duvidosa, que faz mal para a saúde e para a sociedade. Quando cultivo dentro de casa não vou para a boca de fumo, não estou influenciando uma criança a pegar uma arma – disse um dos administradores do fórum, com mais de 50 mil inscritos. A proposta tende a atrair gente com médio e alto poder aquisitivo, com Ensino Superior, que sabe dos riscos que correm por praticarem algo ilegal, mas os assumem pela causa. Luís Fernando Tófoli, psiquiatra e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), explica que existem mais de 70 tipos de cannabinoides (substâncias químicas produzidas pela maconha) descobertas até agora. O mais famoso é o Tetrahidrocanabinol (THC), que deixa o cérebro mais ativo. Recentemente, catalogou-se o canabidiol (CBD), que estimula o relaxamento. Tófoli crê que a proibição da maconha trava as pesquisas científicas sobre o assunto. – O THC e o CBD possuem fortes propriedades medicinais, principalmente, para epilepsia e dor. O problema com o proibicionismo é que, como no mercado se busca a “chapação”, o efeito agudo, mais ligado ao THC, os traficantes acabam reforçando cada vez mais variantes da planta rica em THC. Não se importando com o CBD, eles alteram o aparente equilíbrio natural que a planta tem, tornando-a mais perigosa – disse o médico. Mas atenção: não é por ser uma planta, algo natural, que não oferece riscos, principalmente para os consumidores menores de 21 anos. Com a regulamentação, a ideia é minimizar os riscos e maximizar os benefícios, diz o psiquiatra. Com ou sem uma ideologia associada, o cultivo de maconha é crime no Brasil. Emílio Figueiredo, consultor jurídico do Growroom, explica que o Recurso Extraordinário 635659 está tramitando no Supremo Tribunal Federal desde 2011 para tentar derrubar o artigo 28 da Constituição, fazendo com que ninguém mais seja criminalizado por consumir, portar ou cultivar maconha para o próprio consumo. O documento pode ser votado ainda este ano. O debate ganhou força pela recente legalização do uso, da produção e da venda da erva no Uruguai e no Colorado (EUA). – A lei diz que é crime portar droga. O recurso diz que a lei não pode incriminar alguma coisa que envolve a intimidade da pessoa, a liberdade – disse Emílio. O advogado chama a atenção para o fato de a sutileza da lei girar em torno da intenção da pessoa que estava praticando o ato quando foi pega: se portava e plantava para consumo ou para venda. O promotor João Pedro de Freitas Xavier, coordenador do Centro de Apoio Criminal do Ministério Público Estadual, reitera que crime é crime, não importa a intenção. O promotor alerta para o perigo da disseminação do vício na sociedade. – O consumo de drogas, mesmo que para fins recreativos, é ilegal. É passível de ser caracterizado como tráfico – esclarece o promotor. Responsável pelo inquérito que investiga o que aconteceu em dezembro, em Porto Alegre, o delegado Mario Souza, do Departamento Estadual de Investigação do Narcotráfico (Denarc), explica que será averiguado se houve ou não crime naquele dia. – Uma coisa é o movimento pregar uma ideia, trazer o plantio como pauta. O que está sendo averiguado é o que ocorreu no sítio, se será caracterizado ou não como tráfico. O principal elemento de investigação é o vídeo que eles publicaram na internet e, ao que tudo indica, retiraram depois – disse Souza. O que diz a lei - Em vigor desde 2006, a Lei 11.343 prevê punições distintas a usuário e traficante. Quem é descoberto portando ou plantando drogas tem de assinar um termo circunstanciado. A pessoa pode ter de prestar serviços à comunidade e receber uma medida educativa, que prevê a obrigatoriedade de frequentar um programa ou curso. - Se um grupo de amigos for pego fumando o mesmo cigarro, enquadra-se em uso compartilhado com pena prevista de seis meses a um ano de reclusão, que pode ser revertida em prestação de serviços comunitários. - Já a quem comercializa drogas a lei atribui pena entre cinco e 15 anos de reclusão por tráfico. CLIPPING http://www.alagoas24horas.com.br/conteudo/?vCod=189561
    1 point
  16. Me dá depressão ler comentários das notícias, o tanto de ignorantes. Precisamos de material informativo direto e objetivo para nossa causa, quem sabe se as pessoas descobrissem a verdade assim como nós, no mínimo deixariam de lutar contra.
    1 point
  17. O PARAÍSO ESTA A CAMINHO!! http://www.growroom.net/board/gallery/image/273262-dgf/
    1 point
  18. Interessante ver como o assunto se torna cada vez mais popular e normal, isso êh um bom sinal. Uma coisa êh certa, vai descriminalizar/regulamentar ou até mesmo legalizar, agora quando isso vai acontecer acho que depende muito de nós que lutamos pela causa. Falta pouco!!! Vai q vai galera, nada pode nos parar!
    1 point
  19. Juntou outras notícias, que profissão de advogado é estressante, outra da Dilma...
    1 point
  20. 1 point
  21. Não precisa ser médico pra responder essa pergunta, a maconha prensada não irá atrapalhar em nada o uso dos remédios, como tb não ajudará muita coisa... Po se uma pessoa sofre de um problema crônico que inclusive corre risco de crise epilética, deixar de montar um grow por conta de ser contra a lei é um grande erro... Na verdade quando se desconhece o potencial do tratamento que essa planta oferece, os riscos pesam mais na decisão né, só que a verdade é que em poucos meses a ingestão do Hemp oil somado a uma reeducação alimentar acabariam de vez com os problemas de sua companheira. Só que ai o buraco é mais em baixo né, mexer na larica ninguem aceita, a grande maioria prefere ficar doente. Vou deixar minha dica assim msm, ela serve pra q/q pessoa que tem uma doença auto-imune ou problema crônico de saúde. Ingestão diária de Hemp Oil irá atacar e impedir os acúmulos inflamatórios que são responsáveis por essas doenças, alem de reverter os danos causados por elas no organismo em geral, a reeducação alimentar é pra evitar os alimentos que causam esses acúmulos inflamatórios, vou citar os principais pois são muitos... Açucar refinado (e tudo que contenha ele). Gluten (trigo, aveia, centeio e cevada) . Óleo de cozinha (chegam a 50/1 em ômega 6 e 3 que os tornam mega inflamatório, alem da maioria ser trangênico) Leite e derivados. Alimentos trangênicos. * Esses 5 acima são grandes responsáveis pela manutenção de acúmulos inflamatórios no organismo. Toxinas: Aspartame. Glutamato monossódico. Corantes e aromatizantes sintéticos. Etc... *Basicamente toda a comida processada só serve pra te fuder a saúde, não tem valor nutricional aceitável ... Então é ir em feira orgânica, comer muita fruta verduras e legumes, fazer leite com grãos( amendoa, castanhas, alpiste) usar farinhas sem gluten e preparar o pão em casa, e por ai vai...
    1 point
  22. Pelo link que você mandou, deu pra ler em inglês e entender que o terremoto que atingiu o Japão em março de 2011 mudou o eixo da Terra em 17 cm e mudou a duração do dia em 0,0000018 segundos. Isso é pouco ou é muito? Respondo. O mesmo link também informa que o eixo da Terra que foi afetado pelo terremoto, costuma sofrer mudanças muito maiores causada por ventos e correntes marítimas, na ordem de um metro (588% a mais do que pela ocorrência do terremoto - quase seis vezes) e a duração do dia é afetada em grandezas de tempo que são 550 vezes maiores do que a mudança causada pelo citado terremoto. Ou seja, acho que não seja disso que o Ricco esteja falando. Acho.
    1 point
  23. 50 - 100 reais a grama mano? entao o traficante ta milionario na moral.. vai compra 50g pro final de semana gasta 2500??? vixiii Aqui em porto alegre 50g da white widow prensada ta 300 reais Abraço
    1 point
  24. Menos burocracia e mais diálogo A polêmica em torno do exame antidoping em alunos revela a falência da relação familiar. Falta mais conversa entre pais e filhos Fonte:http://seculodiario.com.br/15347/14/menos-burocracia-e-mais-dialogo Editorial 10/02/2014 20:59 - Atualizado em 10/02/2014 20:59 A Assembleia Legislativa deve avaliar nos próximos dias se é contra ou a favor do projeto de lei do deputado Euclério Sampaio (PDT) que propõe a imposição do exame toxicológico a alunos da rede púbica estadual de ensino. Projeto semelhante foi aprovado pela Câmara de Cariacica em janeiro deste ano. Como o prefeito Geraldo Luzia, o Juninho (PPS), não se manifestou no prazo de 15 dias, o projeto virou lei. Depois da polêmica, o prefeito tenta desesperadamente revogar a lei. Não que ele seja contra. Juninho apenas alega que o debate precisa ser aprofundado. A proposta de Euclério, por seu turno, não venceu nem o parecer técnico da Mesa Diretora, que já mandou um carimbo de “inconstitucional “no projeto. O pedetista pode até recorrer à Comissão de Constituição e Justiça da Casa, que avaliaria juridicamente a proposta. No entanto, a primeira manifestação já mostrou que o projeto está fadado a morrer no arquivo. Melhor assim. Euclério embarcou no tema porque percebeu que a proposta é polêmica e, mesmo que não passe, pode render-lhe alguma visibilidade. Suas declarações já sinalizam o tom populista que ele tenta imprimir à matéria. “O projeto de lei é um grito da sociedade que não aguenta mais perder seus filhos para as drogas”. Ninguém discorda que os pais estão preocupados com o problema das drogas, uma ameaça iminente aos seus filhos. O que chama atenção na proposta é que os defensores da proposta estão preocupados em atacar o problema das drogas pelo fim, em vez de pensar projetos que fortaleçam a prevenção. O importante seria concentrar esforços e recursos em ações que impeçam que os jovens entrem no mundo das drogas. O projeto de Euclério está mais guinado em promover uma “faxina social” nas escolas para excluir, vamos dizer assim, “quem não presta”. Como já retorquiram alguns especialistas, a escola, principalmente a pública, deve ser vista como um espaço de inclusão e não o contrário. É óbvio e ululante que a “lista dos drogados” vazaria e parte dos educadores e mesmo alunos passariam a marginalizar o jovem flagrado no antidoping, que ficaria propenso a abandonar a escola para evitar o constrangimento. E não adianta incluir artigos no projeto que proíbam a escola de expulsar os reprovados no doping, os próprios alunos deixariam a escola espontaneamente. Não é necessária uma lei antidoping para enfrentar o problema das drogas. A ideia, que nasceu nos programas esportivos das escolas e universidades norte-americanas, provou que tem sido ineficiente para reduzir os índices de dependência entre os jovens. Não fosse verdade, o número de atletas — mesmo de alta performance — com dependência química não seria ascendente. O problema das drogas não carece de mais leis, e sim de mais diálogo entre pais e filhos, professores e alunos. Quem mantém uma relação de respeito e confiança com o filho, sabe que dificilmente precisará recorrer a um exame de laboratório para comprovar esse tipo de dúvida. A convivência estreita permitiria que numa boa conversa o filho revelasse que está fazendo uso de drogas. Os pais, nesse caso, seriam os primeiros a conhecer o problema e oferecer apoio e carinho para enfrentá-lo ao lado do filho. O projeto antidoping burocratiza o problema, tentando impor mecanismos de controle e punição que em vez de fortalecer esgarçam o já fragilizado vínculo que une pais e filhos.
    1 point
  25. Assembleia rejeita projeto que impõe exame antidoping em alunos da rede estadual Após causar polêmica em Cariacica, o projeto do deputado Euclério Sampaio sequer foi aceito pela Mesa Diretora Nerter Samora 10/02/2014 14:47 - Atualizado em 10/02/2014 19:27 http://seculodiario.com.br/15338/12/assembleia-rejeita-projeto-que-impoe-exame-antidoping-em-alunos-da-rede-estadual-1 Depois da polêmica com a lei que obriga a realização de exames toxicológicos em alunos da rede pública em Cariacica, o assunto volta à tona com um projeto semelhante apresentado pelo deputado estadual Euclério Sampaio (PDT). Mas, diferentemente do que ocorreu no município cariaciquense, o projeto de lei (PL 22/2014) que estende os efeitos do exame antidoping a alunos de toda rede estadual de ensino, mal começou a tramitar e corre o risco de parar no arquivo da Assembleia Legislativa. Na última semana, a Mesa Diretora da Casa determinou a devolução da proposta ao autor pela violação ao artigo 143, do Regimento Interno do Legislativo. A norma prevê uma série de razões para a rejeição de um projeto de lei, antes que ele inicie a tramitação pelas comissões da Casa até chegar ao plenário. No caso do projeto de Euclério, a Mesa entendeu que a proposta é “manifestamente inconstitucional”. Esse foi o mesmo entendimento que os deputados estaduais de Goiás tiveram ao rejeitar um projeto semelhante, que coincidentemente serviu de base para a proposta que virou lei em Cariacica. Segundo o mesmo Regimento, o deputado Euclério Sampaio pode recorrer da decisão à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que se pronunciará sobre a legalidade ou não da proposta. No entanto, a tendência é de que, caso sejam acionados, os membros da CCJ acompanhem o mesmo entendimento da área técnica da Mesa. Em várias situações desde o início da legislatura o presidente da comissão, deputado Elcio Alvares (DEM), fez questão de frisar que a decisão do colegiado é técnica, e não política. Questões políticas à parte, a verdade é de que as três propostas são muito semelhantes. No projeto de Euclério, a realização dos exames abrange a todos os alunos matriculados no Ensino Médio, nas escolas da rede pública estadual. O projeto não impede a matrícula dos alunos que se recusarem a realizar o teste, mas prevê que a recusa seja feita no ato da matrícula. Caso contrário, o aluno estará na lista dos “candidatos” ao exame – cujos escolhidos vão ser sorteados. Na justificativa do projeto, o pedetista argumenta que o “projeto de lei é um grito da sociedade que não aguenta mais perder seus filhos para as drogas”. Euclério garante que a realização dos exames são medidas simples para contribuir para a diminuição no uso de drogas por adolescentes e jovens em idade escolar. “As drogas ilícitas e as lícitas têm sido grandes atrativos aos jovens de todas as classes sociais. Os aliciadores estão infiltrados em todos os setores da sociedade fugindo do controle dos gestores da segurança pública”, diz o deputado. Pela proposta, o exame terá caráter sigiloso e os pais devem autorizar a realização dos testes. Os resultados seriam repassados aos pais e representantes legais dos alunos, que poderiam requerer o encaminhamento para o tratamento. O projeto prevê ainda que um profissional da área de assistência social autorize o tratamento multidisciplinar para dependência.
    1 point
  26. Dae galera tirei umas fotos eu tenho Microsporum Gypseum Tomei uma anti-micotico por algum tempo e tambem passei uma pomada, nao vou lembrar os nomes agora pq faz mais de 1 ano quando melhorei dos simtomas parei de usar os remedios e 6 meses depois disso o fungo voltou ele causa pequenas espinhas na pele faz mais de 6 meses q nao tenho essas espinhas mas senti que a pele nunca curou 100% e esta sensivel a dor comecei a fazer o uso topico de oleo de macoha + oleo de copaiba faz uns 10 dias Coloco uma pequena gota de oleo de maconha e uma gota de oleo de copaiba ai esfrego bem ate eles se misturaram e cobrirem a regiao afetada
    1 point
  27. Faça o que vc quiser, to dando o papo, a iniciativa no Senado é muito mais concreta! http://www.growroom.net/board/topic/53813-ideias-legislativas-regular-o-uso-recreativo-medicinal-e-industrial-da-maconha/?p=1119511
    1 point
  28. Perda de tempo! A Dilma não tem poder pra resolver isso! Liga lá no Alô Senado que é melhor!
    1 point
  29. e eu toucom um problema... a maconha funciona, mas tipo, umas meia hr 45 minutos depois eu me desintoxico.. Ai tenho que fazer tudo denovo....
    1 point
  30. a loucura é como a gravidade, só precisa de um empurrãozinho, muitas pessoas já nascem predispostas à esquizofrenia, principalmente por fatores patológicos, hereditários e má formação psicológica provinda do meio externo principalmente na infância. Como qualquer outro remédio têm suas precauções e restrições, ex: n devem ser ministrados na gravidez, na fase de amamentação, crianças e adolescentes devem usar o remédio só com prescrição, e outra, tem mais pessoas esquizofrênicas de álcool do que qualquer outra coisa.
    1 point
  31. 1 point
  32. Deixo minha experiência aqui, vale como um "Resumão" do que ta escrito naquele texto acima. Eu tomava com frequencia lá por 2003 até 2006, e tinha muito mais selos sem gosto que hoje rola por ai de fato, hoje em dia os selos são de fabricantes mais variados e de diversas fontes, então o produto varia mais de padrão. Nessa época um parceiro de trips e grande amigo até hoje, estava na época de faculdade de Engenharia Química, hoje é profissional na área há vários anos. A gente conversava bastante sobre as composições dos ácidos, o por que do gosto e etc. Nunca fui muito bom em Química então acredito nele. Resumindo: * Existe SIM possibilidade de se Adulterar Blotter de LSD com anfetaminas, quando isso acontece normalmente não há LSD no composto químico, apenas o famigerado DOB e derivados 25C-Nbome, 25I-Nbome, que são classificados como anfetaminas psicodélicas. **Principal diferença entre LSD e DOB é a duração da experiência, LSD média de 8 horas, sendo que após 6 horas de um pico forte entra na "rebordosa", enquanto o DOB pode durar até 10 horas, ou mais, causando muito mais sudorese (suar excessivamente), tensão muscular mais frequente e outros efeitos colaterais. (Já tomei Bike Preto, que nada mais é que uma Xerox de má qualidade de blotter de bike e vendido como especial, mas contém DOB, 10 horas de suadeira e aceleração, não é LSD.) NÃO é o gosto! *** A principal causa do gosto no LSD é sua pureza que deriva da qualidade de preparo e da perícia do manipulador no isolamento da molécula. O LSD 99,9% puro é inodoro, incolor e não possui nenhum sabor. Impurezas que são resíduos deixados durante o processo alteram o sabor causando amargor, amortecimento e adstringência. (Lembra-se que o LSD é extraído do fungo ERGOT, que possuí dezenas de alcaloides venenosos e letais, sendo assim resíduos de mal preparo do LSD podem causar problemas de saúde). *** Tanto o DOB quanto o LSD são substâncias muito potentes no sentido de que micro quantidades produzem grandes efeitos. (Dose média LSD 100 / 150µg MICROgramas, Microgramas = Milionésima parte da grama, 1g divididos por 1 milhão). Sendo assim, ambos precisam ser DILUÍDOS para poderem ser divididos e preparados. **** O Gosto é causado principalmente pelo SOLVENTE utilizado no processo. Já tomei muito ácido, hoje em dia não tomo mais pois enjoei da pira. Depois de mais de 10 anos tomando direto chega uma hora que perde a graça mesmo. Mas até onde sei pelo menos 90% do Ecstasy e LSD que entra no Brasil vem de fora, um passarinho me contou.
    1 point
  33. é muito bom ver essas historias com o oleo sempre quis usar mas nunca tive nenhum problema de saude onde o oleo seria uma opcao tive uma micose na pele a um ano mais ou menos e nunca curei 100% ficou uma mancha na pele e os medicos diziam q ia sair esse dias percebi que a pele fica meio sensivel, meio dolorida quando esfrego comecei o tratamento com oleo de maconha + oleo de copaiba como indicado pelo amigo thiabo posto os resultados daqui umas semanas!
    1 point
  34. Po tenho que dar o braço a torcer, de cara tinha preconceito pelo cara ser ex-bbb e tals mas ele tem uma excelente atuação parlamentar...
    1 point
  35. Eu iria fazer um post zuera, irônico. Mas depois que eu leio gente aqui falando de ditadura gayzista... Porra, aí fica difícil defender nossa própria causa. A galera não consegue enxergar um palmo a frente do nariz. Desafio a qualquer um aqui a procurar um projeto de lei que torne obrigatório o homossexualismo no brasil, do tipo: quem não dá o (*), vai preso.. Sério, eu pago em grana (que eu não tenho e nem vou precisar pq não existe tal projeto). O que se pretende é criminalizar a homofobia o que na minha visão é correto desde que se invista tb em educação. Não podemos deixar pessoas abusando da liberdade de expressão para atacar vidas particulares. Ofende ver homens se beijando? Usando saia, calcinha, batom? Por que? Você acha que isso pega pelo ar? Uiiii santa... cuidado hein? Vai virar gay e não tem cura! Por mim, pode ter mil homens se beijando ao mesmo tempo que eu não vou nem ligar. Agora se tiver 1000 pessoas fumando e eu não estiver por perto aí sim eu fico puto de raiva. Como assim...? fumam e nem me avisam pra dar um pega? A galera não pensa que esse argumento é tão válido quanto ditadura maconheira. "Querem legalizar a maconha? Só falta quererem a legalização da pedofilia". Logo logo vão falar que somos financiados pelo PT...
    1 point
  36. quando vejo alguem falar em ditadura gay eu vejo o Bolsonaro falando, naturehigh maconheiro preconceituoso é pior que politico proibicionista cara.. Jean Willys é um cara muito inteligente, prefiro mil bichonas iguais a ele na politica do que meio Sarney... Bota fogo no congresso Jean !!!
    1 point
  37. Salve, amigos! Dois fatos interessantes que aconteceram comigo e gostaria de compartilhar. O primeiro fato é que tenho uma pinta na cabeça, perto da costeleta e que com o tempo passou a crescer e se transformou em uma verruga. Resolvi começar a aplicar uma mistura do óleo com copaíba, segundo a receita do Thiabo. Tinha cortado o cabelo recentemente e depois de uma semana de aplicação, percebi que do lado da verruga meu cabelo tinha crescido bem mais do que do outro. Minha mulher já tinha notado que o cabelo dela estava bem mais forte e que nunca tinha crescido tanto desde que ela iniciou o tratamento com o óleo. Não posso afirmar que o óleo faz nascer cabelo onde não tem mas tenho certeza absoluta que ele acelera seu crescimento. Existe uma esperança, amigos canabistas calvos O segundo fato é que um grande amigo apareceu com o cotovelo totalmente inchado que até parecia um limão de tão grande que estava. Na hora, disse-lhe que parecia uma bursite. Ele foi em dos melhores hospitais particulares aqui de SP e o médico, que nunca tinha ouvido falar em bursite, lhe pediu uma ressonância magnética e depois de muito vai e vem, foi constatado que ele realmente estava com uma inflamação da bursa do cotovelo e o procedimento seria a sua remoção. Dei-lhe um potinho do mix com copaíba e ele começou a fazer duas aplicaçõe por dia. Em dez dias ele estava completamente curado. A cada dia me impressiono mais com o poder curativo do óleo e isso é só o começo. Saúde pra todos!
    1 point
  38. essa chapa o globo por completo... uma das mais clássicas do mestre (se liga no flow do pac, pqp, o cara brinca em cima da batida) continuando com mais um da west side: agora dois sons de monstros do rap nacional:
    1 point
  39. Fala BraveHeart, blz? Então... Só para deixar claro, ao responder a pergunta do BassHemp me detive a análise na hipótese de declaração de inconstitucionalidade da Lei (foi como eu entendi pergunta) e não apenas de um dispositivo isolado (art. 28). Abraço.
    1 point
  40. Na verdade não, quem foi condenado por tráfico continuará traficante, pois a inconstitucionalidade do recurso do STF é do art.28 (usuário), não 33(traficante)
    1 point
  41. Valeu Brave, valeu Sano! É muito bom ter esse feedback q nos encoraja em seguir em frente, bem como o do Bigcunha q nos faz ser precavido ao mesmo tempo. Bom saber q posso contar com este corpo jurídico competentíssimo! Se a casa cair, to me lichando pra que vizinho vai achar. Com parentes, tranquilo também, o q tenho medo só é de sair na capa do jornal e botar meu emprego em risco (são 9 anos consolidando minha carreira profissional na mesma empresa, acredito q não seria demitido, mas sabe como é, posso ficar tachado por um fato desse), enfim, é só isso q fico cabrero e de tbm fazer quem esteja na minha casa passar por uma situação delicada. Encarar o delegado, com humildade lógico, tenho tranquilidade e segurança para fazer, ainda mais sabendo q tenho respaldo de vcs. Seguindo a máxima do malandro, não estou com as plantas na sacada agora. Entre hoje a amanhã vou providenciar outras plantas para colocar lá, sentir como está o terreno, se ainda continuarão a acessar a cobertura....voltando a sentir confiança, vou colocar as plantas lá de volta, de forma mais camuflada. Só dá mó dó ver esse solzão brilhando e ter q manter as meninas no quarto por enquanto. Obrigado mesmo Consultores! Só espero q a ajuda fique por esses posts!
    1 point
  42. CAra ... tu tem que parar mesmo ... ainda mais com essa droga de prensado ... DROGA, porque por trás dela está toda a negatividade do trafico, mortes ... etc etc etc .... prensado da bad mesmo ... ferra com você e vai saber o que tão pondo dentro dele ... já vi muita bucha com pedra já ... Não precisa desintoxicar de canabis, pois ela não é droga ... o que vc precisa é de auxilio psicológico para colocar sua cabeça no lugar ... O vicio em cannabis é psicológico .... vc curte colocar-se em Stand-By ... pura e simplesmente para abster-se de seus problemas na vida real ... então para de fazer esta associação e parará de fumar cannabis ... SÓ QUE MUITO CUIDADO ... pois seu problema é psicológico, vc vai trocar a cannabis por outra coisa .... e com certeza vai ser pior ... Dê um tempo para você mesmo ... queira colocar suas idéias e ideais em dia ... e ver o que quer para seu futuro .... ai depois que colocar tudo em ordem e tiver um rumo, ai sim dá aquelas pausas recreativas ... uma biritinha aqui ... um fumo ali .... pois mente sã ... não absorve besteiras .... A cannabis tem o poder de abrir o seus olhos se a sua mente estiver boa .... se ela estiver ruim, só fará de você um vegetal como ela ... Que Jah abençoe seus caminhos ...
    1 point
  43. Nunca mais chamo o que eu faço de sauna, esse aí sim chapa só de ver o vídeo, sauna legitima
    1 point
  44. Ae Chofer seu paiaço... Eu tava lá e assei boa parte da carne porra, alem de ter levado aqueles queijos, copa e o catzo da colonia... Então tinha gaúcho pilotando o fogo, sim A hora mais engraçado foi quando acendeu-se essa bomba, a familia do anfitrião se recolheu atras de uma porta de vidro e ficou só rindo da galera que morria quando o banzão passava... o oléo rasgou todas goelas e as tosses eram ouvidas lá em Ponta Grossa. tinha nego que não era da tchurma (não tava acostumado) que deu PT... Eu ainda tive tempo de fechar 10 finos antes de dormir pra aguentar os 750km da volta...
    1 point
  45. Oloco mano, invocando a velha escola. classic nigga
    1 point
×
×
  • Criar Novo...